Ciência e Saúde

Ministros do G7 prometem no Japão medidas para doentes com demência

Foto: Creative Commons

Cerca de 47,5 milhões de pessoas sofrem de demência no mundo, numero que pode chegar a 135,5 milhões em 2050.

Ao término da reunião de dois dias iniciada em Kobe, no centro do Japão, os ministros da Saúde dos países do G7 comprometeram-se nesta segunda-feira (12) a promover medidas preventivas e de ajuda aos doentes com demência, doença que tem apresentado grande crescimento por conta do rápido envelhecimento global.

Os representantes do Japão, Canadá, Alemanha, Itália, Estados Unidos, Reino Unido e França, reconheceram a importância de “construir um sistema de atenção [para estes doentes] nas comunidades” em que residem, afirmaram eles em uma conferência de imprensa conjunta após o encontro.

Os ministros concordaram em promover o diagnóstico precoce e desenvolver políticas que ofereça melhor qualidade de vida aos doentes, assim como impulsionar a investigação para acelerar a criação de terapias.

O resultado da reunião reflete as discussões mantidas pelos líderes dos sete países mais desenvolvidos do mundo na Cúpula do G7 entre os dias 26 e 27 de maio, realizada no parque natural de Ise-Shima (centro do Japão), onde destacaram a necessidade de abordar os problemas do envelhecimento global.

O Japão espera que as medidas adotadas pelo G7 sirvam de exemplo para os países que enfrentam problemas similares ao Japão, onde mais de um quarto da população tem mais de 65 anos.

Esta foi a primeira vez que os ministros da Saúde do G7 se centraram no problema da demência. Isso porque cerca de 47,5 milhões de pessoas sofrem de demência no mundo e estima-se que o número chegue a 135,5 milhões em 2050, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os ministros destacaram a importância do uso de tecnologia (nomeadamente os programas de reconhecimento facial) para a prevenção de fraudes, que frequentemente se dirigem a este setor vulnerável.

Propuseram que os trabalhadores das instituições financeiras recebam formação nesta matéria para detectar clientes em risco de demência para lhes oferecer o apoio adequado.

Representantes de países como o Laos, Birmânia, Singapura e Tailândia – onde se teme que o envelhecimento rápido da população se converta em problema grave – também participaram no encontro.

Da Agência Lusa.

Comentários