Ciência e Saúde

Japão registra mais dois casos de dengue

Os dois novos pacientes e a primeira infectada frequentam a mesma escola em Tóquio.

Depois de anunciar, na quarta-feira (27), que foi detectado o primeiro caso de dengue contraído por uma pessoa dentro do país nos últimos 70 anos, o Ministério da Saúde do Japão informou hoje que registrou mais dois casos semelhantes ao de uma jovem residente em Saitama, que também jamais viajou ao exterior.

De acordo com o ministério, uma mulher com idade aproximada de 20 anos contraiu o vírus da dengue em Saitama e está internada, mas seu quadro clínico é estável, enquanto um homem da mesma faixa etária, morador de Tóquio, também ficou doente e está internado em um hospital da capital japonesa.

A emissora pública NHK informou que os dois novos pacientes e a primeira jovem de Saitama que ficou doente frequentam a mesma escola em Tóquio, levando a crer que as circunstâncias da transmissão foram as mesmas.

Embora a cada ano sejam registrados 200 casos de cidadãos japoneses infectados pela doença em viagens ao exterior, desde 1945 não havia sido detectado nenhum caso doméstico, declarou o Ministério, que acredita que essas três pessoas tenham sido infectadas por um mosquito que teria picado antes outra pessoa que contraiu a doença no exterior.

O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, que está investigando cerca de 98 casos de japoneses contaminados pelo vírus durante viagens em outros países, no atual ano fiscal ano, pede à população que procure orientação médica assim que surgir qualquer suspeita da doença, cujos sintomas principais são febre alta e dor de cabeça.

O mosquito Aedes  aegypti, principal responsável pela transmissão do vírus da dengue, é uma espécie de pernilongo também comum no Japão. Segundo o Ministério da Saúde, esse tipo de inseto pode ser facilmente visto entre os meses de abril e novembro.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*