Economia

Confiança das grandes empresas do Japão melhora no 2º trimestre

Os gastos em bens de capital das maiores indústrias no Japão ficaram no maior patamar desde 2004.

Do Mundo-Nipo

A confiança das grandes companhias do Japão melhorou no trimestre encerrado em junho, mostraram os dados mais recentes da pesquisa Tankan do Banco do Japão (BoJ, o banco central japonês), sugerindo que as empresas do país estão mais otimistas sobre as condições de negócio mesmo com a desaceleração no crescimento global.

A pesquisa trimestral com mais de 11 mil empresas mostrou que o índice de avaliação das condições econômicas entre as maiores delas ficou em 15 no período de abril a junho, acima dos 12 registrados de janeiro a março.

A leitura veio bem melhor que a previsão de 12 dos economistas ouvidos pelo Wall Street Journal. Um resultado positivo indica que o número de otimistas supera o de pessimistas.

Os gastos em bens de capital das maiores empresas do setor industrial no Japão ficaram no maior patamar desde junho de 2004. Os gastos em bens de capital das empresas em geral foi o mais alto desde junho de 2006, segundo a pesquisa.

A pesquisa traça um retrato das visões das companhias sobre as atuais condições de negócio e suas projeções para lucro, investimento e contratações. Ela mostrou que as maiores companhias esperam que os investimentos cresçam em 9,3% nos 12 meses até março de 2016, uma forte mudança em relação à expectativa de corte de 1,2% nos investimentos para o ano mostrada na pesquisa anterior.

A revisão para cima vem em linha com a visão do BC japonês de que um ciclo virtuoso no setor corporativo continua, reduzindo a probabilidade de um maior afrouxamento na política monetária.

O índice para as grandes empresas do setor de serviços subiu para 23, acima dos 19 da leitura anterior e em linha com a previsão dos economistas.

Fontes: Jornal Estadão | Jornal Nikkei.

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários