Economia

Governo japonês está atento aos preços do petróleo em meio à crise no Iraque

A insurgência no Iraque ameaça a produção do segundo maior produtor de petróleo da Opep.

Do Mundo-Nipo

O ministro da Economia, Comércio e Indústria do Japão, Toshimitsu Motegi, indicou que está atento à situação do Iraque, na medida em que os preços do petróleo estão subindo, podendo elevar-se ainda mais caso o conflito se deteriore.

Ontem, o petróleo Brent, referência para o mercado, foi negociado acima dos US$ 113, tornando cada vez mais provável que a estimativa de US$ 116 por barril – apontado inicialmente pelos analistas como valor de mercado até o final de 2014 – venha a ser batido muito mais cedo que o projetado.

Nesta terça-feira (17), Motegi disse a repórteres que o petróleo bruto do Iraque representou menos de 2% do total de importações do Japão no último ano. Segundo ele, a insurgência ainda não se espalhou para o sul do Iraque, onde 90% do petróleo do país é produzido. Devido a isso, não há problemas de abastecimento proveniente daquele país.

Entretanto, Motegi alerta que, caso o conflito se espalhe, os preços do petróleo bruto do Iraque poderão aumentar ainda mais.

O Estado Islâmico do Iraque e Levante (EIIL), grupo sunita de oposição ao governo xiita, conseguiu interromper reparos que estavam sendo realizados em um oleoduto que liga o campo de Kirkuk ao porto de Ceyhan, na Turquia. O conflito ameaça a produção do segundo maior produtor de petróleo da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep).

A projeção é que o Iraque responda por 60% do crescimento do grupo até o resto da década, segundo o relatório mais recente da Agência Internacional de Energia (AIE), divulgado no dia 13 de junho. Ainda segundo a entidade, o consumo do óleo deve “crescer fortemente” no último quarto deste ano, forçando a Opep a entregar mais para atender a demanda..

(Com NHK News e Agência Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*