Economia

Produção de aço bruto no Japão cai 4% em janeiro

Trata-se do quinto mês consecutivo de retração.

Do Mundo-Nipo com Agência Kyodo

A produção japonesa de aço bruto caiu 4% em janeiro na comparação com o mesmo mês do ano anterior, marcando o quinto mês consecutivo de recuo, mostraram dados da Federação do Ferro e Aço do Japão (JISF, na sigla em inglês), sinalizando que o resultado é devido à queda na demanda doméstica por produtos siderúrgicos para os setores da indústria automotiva e da construção civil.

Divulgados na sexta-feira (20), os dados da JISF mostram que a produção das siderúrgicas domésticas no primeiro mês de 2015 totalizaram 9 milhões de toneladas.

A queda se deve, em parte, à estagnação da procura que se seguiu logo após aumento do imposto sobre o consumo em abril passado. A demanda, no entanto, registrou fortes altas nos meses que antecederam a elevação da alíquota, de 5% para 8%.

Por outro lado, a produção japonesa de aço bruto em 2014 subiu 0,1% em relação ao ano anterior, para 110,67 milhões de toneladas, marcando o segundo ano consecutivo de avanço. A alta, no entanto, também foi impulsionada pela forte demanda antes da elevação do imposto sobre vendas em abril, o que compensou a queda na produção a partir de maio até dezembro passado.

Em meio a isso, dados divulgados ontem pela Worldsteel, entidade que reúne informações das 170 principais produtoras de aço no mundo, revelaram que a produção mundial de aço bruto, considerando os 65 países que informam seus dados, totalizou 133,102 milhões de toneladas em janeiro, o que representa uma queda de 2,9% frente aos 137,09 milhões de toneladas produzidas um ano antes.

A baixa produção mundial é consequência de uma forte queda registrada na China, A segunda maior economia mundial, que é o maior produtor de aço no planeta, produziu 65,5 milhões de toneladas, equivalente a uma retração de 4,7% na comparação com janeiro de 2014.

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*