Economia Notícias

Exportações do Japão têm forte desaceleração em setembro

O crescimento em setembro foi o mais fraco desde agosto de 2014 e pode forçar o Banco do Japão a oferecer mais estímulos.

As exportações do Japão desaceleram em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado, afetadas pelo enfraquecimento na demanda de países asiáticos, principalmente na China, o que tem prejudicado a capacidade do setor comercial de estimular a terceira maior economia do mundo, mantendo a pressão por novos estímulos, informou nesta quarta-feira (21) a agência Kyodo.

Os dados preliminares do Ministério das Finanças mostraram um modesto aumento anual de 0,6% nas exportações em setembro, o que contraria totalmente a estimativa de economistas, que esperam avanço de 3,4% para o nono mês de 2015. O último crescimento forte registrado no setor foi em setembro de 2014, quando as exportações japonesas registram forte alta de 6,9%.

O crescimento em setembro foi o mais fraco desde agosto do ano passado, após ganho de 3,1% no mês anterior. O iene fraco ajudou a aumentar o valor das exportações, mas o volume caiu 3,9%, terceiro mês seguido de queda anual.

As exportações para a China, que respondem por mais da metade dos embarques japoneses na Ásia, retrocederam 3,5% em setembro sobre o ano anterior, o que representa o segundo mês seguido de recuo. Os embarques para a China têm sido afetados pela queda na demanda por auto-peças e componentes eletrônicos, conforme informou a agência Kyodo.

Segundo a agência de notícias Reuters, o dado desta quarta-feira foi o primeiro indicador importante de setembro e faz parte do cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre. Uma contração no terceiro trimestre colocará o Japão em recessão e pode forçar o Banco do Japão (BoJ, banco central japonês) a afrouxar novamente sua política monetária visando atingir sua ambiciosa meta de inflação de 2% no próximo ano.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários