Economia

Japão reduz estimativa de crescimento para o atual ano fiscal

O governo projeta agora o crescimento do PIB em 1,2%.

Do Mundo-Nipo com Agências

O governo japonês reduziu levemente sua estimativa de crescimento para o atual ano fiscal devido à fraqueza das exportações e à queda na demanda doméstica após o aumento do imposto sobre o consumo em abril. As projeções, no entanto, ficaram em linha com as do Banco do Japão (BoJ, o banco central japonês).

 

Governo japonês corta a previsão de crescimento para 1,2% (Imagem: Edição MN)

As estimativas do Escritório do Gabinete também mostram que os preços ao consumidor devem subir 1,2% no atual ano fiscal (Imagem: Edição MN)

 

A projeção do governo para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) agora é de 1,2% no ano fiscal de 2014 ante 1,4% da estimativa anterior. A expectativa é de que a expansão acelere para 1,4% no ano seguinte, segundo anunciou o Escritório do Gabinete nesta terça-feira (22).

Membros do comitê de aconselhamento do governo não se opuseram à visão do BoJ de que os preços ao consumidor continuarão a subir sob seu programa de compra de ativos, mostrando que há pouca diferença entre a avaliação do governo e do banco central sobre a economia, conforme noticiou a Agência Reuters.

A convergência de opiniões sugere que o banco central japonês não deve enfrentar pressão do governo para afrouxar a política monetária conforme o governo volta sua atenção para o orçamento do próximo ano fiscal.

Na semana passada, o BoJ cortou sua estimativa de crescimento econômico para o atual ano fiscal para 1,0%, esperando aceleração para 1,5% no ano fiscal seguinte.

As estimativas do Escritório do Gabinete também mostram que os preços ao consumidor devem subir 1,2% na base anual em 2014/15 e 1,8% no ano seguinte. As projeções excluem o efeito do aumento no imposto sobre vendas.

(Com informações das agências Reuters e Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe uma resposta