Economia

Preços ao consumidor japonês sobem 0,3% em abril

O resultado ainda está bastante aquém da meta de inflação de 2,0% almejada pelo BC japonês.

O núcleo da inflação japonesa ao consumidor avançou 0,3% em abril na comparação com igual mês do ano passado, mostraram dados do governo japonês nesta sexta-feira (29). Apesar do avanço, o resultado do indicador está bastante aquém da meta de inflação de 2,0% almejada pelo Banco do Japão (BoJ, banco central japonês).

O núcleo do Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) no Japão, excluindo os preços voláteis dos alimentos frescos, avançou 0,3% em abril ante o mês anterior. A leitura do índice situou-se em 103,3 em abril contra a base de 100 estabelecida em 2010, de acordo com os números do Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações.

Incluindo todos os itens, o núcleo do CPI no Japão cresceu 0,4% ante março e avançou 0,6% na base anual, para 103,7 pontos. Mas se descontados os efeitos do aumento do imposto sobre o consumo, o índice em abril manteve-se nulo ante o mesmo mês do ano passado, represado por custos menores de energia que deixaram distante a meta de inflação almejada pelo Banco do Japão.

Já o núcleo do CPI para a área metropolitana de Tóquio, que é um dos principais indicadores de preços em todo o país, subiu 0,1% ante o mês anterior e cresceu 0,5% na comparação anual, para 102,5 pontos – dados cheios, sem descontar os efeitos do aumento do imposto sobre o consumo e incluindo todos os itens. Mas excluindo os preços voláteis dos alimentos frescos, o índice cresceu 0,1% no mês e 0,2% no ano, situando-se nos 102,2 pontos.

A inflação de Tóquio é vista como um indicador antecipado da evolução dos preços para o resto do Japão. Em março, o núcleo do CPI do Japão ficou em 0,2% e o de Tóquio em 0,4%, dados cheios.

*A tabela com os dados completos pode ser conferida no site do Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários