Economia

Índice de preços ao consumidor no Japão sobe 3,3% em julho

Trata-se do 14º mês consecutivo de aumento.

Do Mundo-Nipo com Agência Kyodo

O núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) do Japão em julho teve uma alta de 3,3% em relação ao ano anterior, registrando o 14º mês consecutivo de aumento, mostraram dados do governo nesta sexta-feira (data local), em linha com as previsões de analistas de mercado e atingindo o mesmo valor de alta registrado no mês anterior, quando atingiu o maior avanço em 32 anos.

O índice, que exclui os preços voláteis dos alimentos frescos, situou-se em 103,5 pontos contra uma base de 100 estabelecida em 2010, de acordo com os números do Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações.

Mas, desconsiderando os efeitos do aumento de imposto sobre as vendas em abril, o índice subiu 1,3% no sétimo mês do ano, na comparação anual, mantendo-se inalterado ante o mês de junho, O número veio em linha com a mediana das projeções de mercado.

O núcleo do CPI para a área metropolitana de Tóquio subiu 2,7% em agosto, na comparação com o mesmo mês de 2013, o mesmo ritmo de junho e ligeiramente abaixo dos 2,8% em junho, mas em linha com os números previstos pelo mercado. Esses números incluem os efeitos do aumento do imposto sobre vendas em abril.

Mas, desconsiderando o impacto direto do aumento de impostos, a leitura é estimada pelo Banco do Japão (BoJ, o banco central japonês) em alta 0,8% em agosto (subtraindo 1,9 pontos percentuais), com o ritmo de crescimento anual inalterado ante o mês anterior.

A inflação de Tóquio é vista como um indicador antecipado da evolução dos preços para o resto do Japão.

Os resultados ainda estão um pouco distante da meta de inflação de 2% objetivada pelo governo, que projeta atingir esse valor ao redor de abril do próximo ano, após enfrentar um período de desaceleração nos próximos meses.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*