Meio ambiente e Energia

Quatro companhias de energia do Japão solicitam reinício de reatores nucleares

As novas normas de segurança nuclear entraram em vigor hoje.

Do Mundo-Nipo

A população japonesa é contra o reinício dos reatores (Foto: AFLO)

A população japonesa é contra o reinício dos reatores (Foto: AFLO)

Quatro companhias de energia do Japão apresentaram pedido à Autoridade Regulamentadora Nuclear, nesta segunda-feira, para reiniciarem um total de 10 reatores. As novas normas de segurança nuclear entraram em vigor hoje.

As operadoras de energia nuclear são legalmente obrigadas a tomar medidas para evitar acidente como o registrado em Fukushima Daiichi, administrada pela Companhia de Energia Elétrica de Tóquio (Tepco);

As novas regras exigem que as operadoras estejam preparadas para desastres naturais, como terremotos e tsunamis, além de ataques aéreos.

Após a eclosão da crise nuclear em Fukushima, há 2 anos, todos os reatores nucleares do país foram desativados. Desde então somente dois reatores voltaram a operar, mas devem permanecem ativos somente até setembro, quando voltarão a passar por inspeções.

Para que outros reatores nucleares voltem a operar eles devem estar em conformidade com as novas diretrizes de segurança, as mais rígidas do mundo.

Quatro operadoras solicitaram o reinício de reatores de cinco usinas, que são: a usina de Tomari, da Companhia de Energia Elétrica de Hokkaido; usina de Oi, da Companhia de Energia Elétrica de Kansai; as usinas de Takahama e Ikata, da Companhia de Energia Elétrica de Shikoku; e a usina de Sendai, operada pela Companhia de Energia Elétrica de Kyushu.

Mesmo que sejam aprovados os reinícios dos reatores, estes devem demorar a serem ativos, sendo que o processo leva em torno de seis meses para ser concluído.

 

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente em mundo-nipo.com/meio-ambiente-e-energiaSiga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários