Meio ambiente e Energia

Japão passa a receber energia nuclear pela 1ª vez em 2 anos

A usina de Sendai retomou suas operações comerciais após a Reguladora Nuclear emitir um certificado nesta quinta-feira.

Do Mundo-Nipo

A usina atômica de Sendai retomou suas operações comerciais nesta quinta-feira (10), depois que o reator número 1 passou por inspeções pela manhã e recebeu a aprovação de reguladores, tornando-se assim o primeiro reator do país a fornecer eletricidade após mais de dois anos de blecaute nuclear.

Nesta manhã (hora local), quatro especialistas da Autoridade Reguladora Nuclear do Japão (ARN) conduziram as inspeções finais na sala de controle da central da usina. Segundo a emissora pública “NHK”, eles verificaram temperaturas no reator religado e outros equipamentos.

Às 16h locais (04h no horário de Brasília) o órgão emitiu um certificado à operadora da usina, a Companhia de Energia Elétrica de Kyushu, afirmando que nenhuma anormalidade foi encontrada durante a inspeção final, de acordo com a “NHK”.

Localizada na província de Kagoshima, sudoeste do Japão, a usina de Sendai foi reativada no dia 11 de agosto. Em 14 de agosto começou a gerar eletricidade, com sua capacidade de geração de energia alcançando 100% em 31 de agosto.

Com a retomada das operações, Sendai se transformou na primeira usina a operar no Japão após um blecaute nuclear de mais de dois anos. Além disso, é a primeira que funciona com novos padrões de segurança rigorosos aprovados após o desastre nuclear de Fukushima em 2011.

A reativação de Sendai foi possível graças ao impulso do governo japonês, que defende a necessidade de retomar a energia nuclear para estimular o crescimento.

Entretanto, a maioria dos japoneses rejeita a medida por medo de que se repita uma tragédia como a de Fukushima, considerado o pior desastre nuclear desde Chernobyl, na Ucrânia, em 1986.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários