Meio ambiente e Energia

China anuncia mais medidas contra forte poluição em Pequim

A forte poluição que afeta Pequim nos últimos dias gerou uma onda insólita de críticas.

Da agência EFE

Pequim, 15 jan (EFE).- A forte poluição que afeta Pequim nos últimos dias gerou uma onda insólita de críticas, inclusive da imprensa estatal, e obrigou as autoridades chinesas a prometer mais medidas contra a poluição.

Às 14h locais (4h de Brasília), os medidores de poluição instalados na embaixada americana na capital chinesa contavam uma concentração de 120 microgramas de partículas inferiores a 2,5 mícrons de diâmetro (PM2,5) por metros cúbicos.

Embora ainda muito acima do máximo de 25 microgramas que a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera aceitável, trata-se de um nível muito abaixo dos 993 microgramas que chegaram a ser registrados em algumas regiões de Pequim no sábado.

A poluição vem sendo muito criticada nas redes sociais. Até mesmo a imprensa oficial chinesa dedica grande espaço, e críticas, ao problema.

O jornal “China Daily” adverte nesta terça-feira que a poluição “pode fazer com que a economia tropece”, e a agência “Xinhua” lembrou que as autoridades prometeram construir uma “bela China”, mas “um país com um céu marrom e um ar perigoso de respirar evidentemente não é belo”.

Em resposta, o governo chinês determinou mais medidas para divulgar com mais rapidez alertas sobre a qualidade do ar e divulgar a informação rapidamente através da imprensa.

Além disso, o porta-voz do Ministério de Proteção Ambiental chinês, Tao Detian, disse ontem à noite que serão tomadas medidas para limitar as emissões de óxido de nitrogênio e que serão intensificados a supervisão da produção, o uso e o descarte de veículos.

A China é o maior produtor e o principal mercado de veículos do mundo. Em 2012, foram vendidos no país mais de 19 milhões de unidades.

Pequim mantém hoje as medidas de emergência para combater a poluição que atinge metade do país desde a última sexta-feira. A forte contaminação multiplicou os casos de problemas cardíacos e respiratórios nos hospitais e desencadeou uma onda de vendas de máscaras e máquinas para filtragem do ar.

O governo de Pequim ordenou ainda a suspensão das operações de mais de cem fábricas, empresas químicas, refinarias e obras de infraestrutura por suas altas emissões de carbono, e mais de 30% dos veículos governamentais foram proibidos de trafegar pelas ruas.

Na cidade de Shijiazhuang, vizinha a Pequim e uma das que registrou pior qualidade de ar no fim de semana passado, mais de 700 obras paralisaram seus trabalhos. Além disso, o governo recomendou aos cidadãos que utilizassem o transporte público e deixassem seus veículos em casa.

A camada de poluição foi tão densa que, na cidade de Zhejiang, evitou que os moradores próximos a uma fábrica de móveis se dessem conta de que ela sofria um incêndio.

A segunda maior economia mundial se descuidou durante décadas do meio ambiente em prol de um rápido desenvolvimento industrial, o que produziu uma grave degradação de sua atmosfera, de seus rios e lagos.

Segundo o Greenpeace, apenas em 2012 a contaminação do ar causou 8.500 mortes prematuras em Pequim, Xangai, Cantão e Xian.

Espera-se que o alto nível de poluição dos últimos dias continue até quarta-feira, quando está prevista a chegada de uma frente fria com ventos que vêm do norte do país e deverão dispersar as partículas nocivas. EFE

 

 

saiba mais


Fábrica pega fogo na China, mas ninguém diferencia fumaça da poluição


Pequim adota medidas de emergência no terceiro dia de poluição extrema


China está em alerta por camada de poluição que cobre metade do país


 

 

Agência EFE – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem a autorização prévia por escrito da Agência EFE S/A.

Comentários

Deixe de comentário

*