Meio ambiente e Energia

ARN deve permitir que reatores nucleares de Oi continuem em operação

A ARN deverá permitir que os reatores operem até setembro, quando estes passarão por manutenção.

Do Mundo-Nipo

Usina nuclear de Oi (Foto: Kyodo)

Usina nuclear de Oi (Foto: Kyodo)

A Autoridade Regulamentadora Nuclear (ARN) do Japão deve permitir que os dois únicos reatores em funcionamento no país continuem em operação.

Especialistas inspecionaram os reatores da usina nuclear Oi, operada pela Companhia de Energia Elétrica de Kansai, na região central do Japão, para verificar se atendiam as novas diretrizes de segurança nuclear que entram em vigor no início de julho.

Antes do terremoto e tsunami de 2011 ocasionar a crise nuclear em Fukushima Daiichi, as operadoras de energia podiam decidir por si próprios se implementariam as medidas cautelares, devido a crença generalizada de que tal acidente era improvável no Japão.

Em uma reunião realizada nesta segunda-feira, os especialistas discutiram melhorias que a Companhia de Kansai propôs, incluindo melhoria de equipamentos de videoconferência e da capacidade de bombear água do mar para reatores legais.

A operadora comunicou que vai concluir as melhorias até o final deste mês.

A ARN deverá permitir que os reatores operem até setembro, quando estes passarão por manutenção.

As novas diretrizes estabelecem que as operadoras de usinas nucleares criem um centro de comando de emergência, que seja forte o suficiente para resistir a terremotos, tsunamis e radiação em um cenário de pior caso. Outras medidas também são exigidas, como “aberturas de filtro” para reatores e medidas de arrefecimento para situação em que haja um ataque de aviões.

As informações são da rede NHK.

 

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente em mundo-nipo.com/meio-ambiente-e-energiaSiga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários