Notícias

Dólar sobe em dia de maior aversão a risco, mas ainda fecha abaixo de R$4

©Stockvault)

O dólar interrompeu uma sequência de três quedas consecutivas e acumula valorização de 0,94% no ano.

O dólar seguiu o mercado externo e fechou em alta frente ao real nesta terça-feira (2), refletindo uma nova rodada de queda nos preços do petróleo, o que aumentou a aversão a risco nos mercados globais.

A moeda norte-americana subiu 0,67%, cotada a R$ 3,9860 na venda, após atingir R$ 4,0221 na máxima e R$ 3,9717 na mínima da sessão. Como resultado, o dólar interrompeu uma sequência de três quedas consecutivas e acumula valorização de 0,94% no ano.

Na véspera, o dólar teve a maior queda percentual diária em mais de um mês e fechou no menor valor do ano.

O mercado de câmbio local acompanhou a valorização do dólar frente às principais emergentes divisas no exterior, com o preço do WTI recuando para abaixo de US$ 30 o barril, afetando principalmente as moedas atreladas a commodities, como o real.

Lá fora, a moeda americana avançava 0,82% em relação ao dólar australiano, 1,83% diante da rand sul-africano e 1,50% diante do peso mexicano.

No mercado local, o destaque foi a reunião do analistas da Moody’s com o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini. A Moody’s é a única agência que ainda mantém a nota de crédito do Brasil em grau de investimento.

O noticiário político volta a ganhar a atenção com a volta do recesso do Congresso. A presidente Dilma Rousseff fez hoje uma visita ao Congresso e defendeu a criação da CPMF.

Atuação do Banco Central no câmbio
Apesar da alta do dólar, o Banco Central do Brasil realizou nesta sessão mais um leilão de rolagem dos swaps cambial (equivalentes a venda futura de dólares) que vencem em março, vendendo a oferta total de 11,9 mil contratos.

Ao todo, a autoridade monetária já rolou cerca de 11% do lote total, que equivale a US$ 10,118 bilhões.

Fontes: Valor Online | Agência Reuters.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários