Notícias

Japão entra em alerta por chegada de novo tufão; 4º em duas semanas

O mapa mostra a localização do Tufão Namtheun às 17h locais deste sábado (Foto: Kyodo/Satélite Himawari)

A previsão é que o potente tufão Namtheun chegue entre hoje e domingo às ilhas de Okinawa e Kyushu.

O sul do Japão entrou em alerta máximo neste sábado (3) pela chegada do tufão Namtheun, classificado como “forte” pela Agência Meteorológica do Japão (JMA, na sigla em inglês). O órgão alertou a população nas ilhas de Okinawa e Kyushu, no sul e sudoeste do país, a se prepararem para receber fortes chuvas, ventos e mar agitado durante a passagem do poderoso tufão, que é o 12º da temporada no Oceano Pacífico e o quarto a atingir o arquipélago japonês em cerca de duas semanas.

De acordo com a JMA, o potente Namtheun se encontrava entre Kyushu e Okinawa nesta madrugada, e se deslocava a uma velocidade de 15 km/h com direção noroeste. A expectativa é que a tempestade passe entre hoje e domingo pela costa sudoeste da ilha de Kyushu, a terceira maior do arquipélago japonês, onde pode deixar chuvas de 80 milímetros por hora e ventos de até 190 km/h.

As autoridades advertiram para o risco de inundações, deslizamentos de terra e ondas gigantes, e aconselharam aos moradores da região que evitem sair de casa durante a tempestade.

O tufão Namtheun ocorre depois que três fenômenos similares atingiram o Japão nas últimas duas semanas, deixando um saldo de 18 mortos desde o dia 21 de agosto.

Além disso, no norte do Japão continuaram neste sábado as tarefas de busca de pessoas desaparecidas durante as condições meteorológicas extremas causadas pela passagem de outro tufão, o Lionrock, no início de semana.

Dois corpos sem vida foram encontrados na ilha de Hokkaido e outros dois em Iwate, o que elevou para 16 o balanço provisório de mortos, que provavelmente aumentará durante os próximos dias conforme as equipes de resgate chegam em zonas que tinham ficado inacessíveis.

O Lionrock causou chuvas recorde no norte do Japão, que transbordaram rios e provocaram graves inundações em várias localidades.

Fontes: Agência Efe | Agência Kyodo.

Comentários