Notícias

Vendas de veículos no Japão recuam 6,4% em agosto

As vendas de veículos novos no Japão caíram pelo quarto mês consecutivo.

Do Mundo-Nipo

As vendas de veículos novos no Japão caíram pelo quarto mês consecutivo, registrando um recuo de 6,4% em agosto, na comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com os dados divulgados pela Japan Automobile Dealers Association (JADA), que representa os distribuidores do setor no país.

 

Nissan March (Foto: Aflo Images)

A Nissan foi a única entre as três principais fabricantes do Japão que registrou aumento nas vendas em agosto (Foto: Aflo Images)

 

No mês passado, foi vendido um total de 217.411 novos veículos, o que representa menos da metade da venda registrada em julho, que foi de 472 mil unidades vendidas.

De acordo com a associação, a queda se deve, excluindo os “miniveículos”, a um programa de subsídio do governo para a compra de veículos ecológicos, que encerrou em setembro de 2012. Desde então, com exceção de abril, as vendas “ano a ano” de carros novos caíram por 12 meses consecutivos, a associação destacou que o resultado reflete também a “severa” situação do mercado doméstico.

Entre as três principais fabricantes japonesas, as vendas da Toyota, fabricante líder mundial, recuaram 12,5%, para 101.404 unidades, apesar de seu modelo de luxo, o Lexus, ter revelado um crescimento de 5,1%. A Nissan vendeu 32.442 veículos, um aumento de 3,3%, enquanto a Honda recuou 22,1%, para 18.985 unidades.

Quanto aos miniveículos, de cilindrada inferior a 660, as vendas avançaram 7,9%, para 149.343 unidades, o que traduz um recorde para o mês de agosto, alavancado por lançamento de novos modelos, segundo esclarecem os dados da Associação representante do setor.

As informações são da Dow Jones Newswires.

 

Para saber mais sobre Automóveis, clique em mundo-nipo.com/industria-automotiva. Siga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário


*