Notícias

Após tufão devastador, Japão é atingido por forte terremoto

O mapa mostra o epicentro do tremor e as áreas atingidas | Foto: JMA

Potente tremor de magnitude 6,7 deixou feridos na ilha de Hokkaido, onde várias cidades estão sem energia elétrica.

Atualizado em 06/09/2018


Um potente terremoto de magnitude 6,7 na escala Richter atingiu o norte do Japão na madrugada de quinta-feira (hora local), informou a Agência Meteorológica do Japão (JMA, na sigla em inglês), acrescentando que o abalo sísmico, apesar de forte, não causou risco de tsunami, mas pode haver variação no nível do mar na costa norte do arquipélago.

De acordo com a JMA, o terremoto ocorreu às 03h08 locais de quinta-feira (15h08 de quarta-feira pelo horário em Brasília), com epicentro registrado no distrito de Iburi, na ilha de Hokkaido, a uma profundidade de 40 quilômetros.

O tremor foi sentindo mais intensamente em Sapporo, capital de Hokkaido, e na cidade de Chitose, registrando intensidade máxima de +6 graus (forte) na escala japonesa, que vai de 1 até 7.

A magnitude na escala Richter (6,7) equivale à intensidade do terremoto no epicentro, enquanto a escala japonesa (+6) considera o nível de abalo sentido na superfície da terra.

Até o momento, autoridades locais não reportaram relatos sobre vítimas fatais, mas a emissora estatal ‘NHK’ informou que há muitos feridos e possíveis mortos, mostrando ainda imagens de casas que desabaram na cidade de Atsuma.

A emissora japonesa também noticiou que várias localidades em Hokkaido estão com o fornecimento de energia elétrica interrompido.

A JMA alerta que haverá réplicas (tremores secundários) em toda a região devido a potência do tremor tanto na profundidade como na superfície do solo.

O Japão faz parte do chamado “Anel de Fogo do Pacífico”, uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo, e sofre terremotos diariamente. Mediante isso, o país possui uma infraestrutura desenvolvida para resistir tremores que poderiam ser fatais em outras partes do mundo.

Do Mundo-Nipo
Fonte: Japan Meteorological Agency | NHK World News.

Comentários