Notícias

Idosos estão sustentando a economia japonesa, diz agência

Foto: Stockvault

A população japonesa acima de 60 anos contribui com cerca de metade do gasto do consumidor.

Enquanto a maioria dos japoneses em idade ativa se preocupa em ter dinheiro suficiente na velhice, os idosos estão sustentando cada vez mais o gasto do consumidor no Japão e respondendo pelo pequeno crescimento do consumo observado nos últimos anos.

A situação é um paradoxo. No Japão, que envelhece rapidamente, sendo o país detentor de uma população mais longeva do mundo, o número crescente de idosos representa grandes desafios para o futuro, em particular para as contas públicas, em vista de que o sistema previdenciário é submetido a uma pressão cada vez maior. Por enquanto, contudo, os mais velhos estão fazendo mais do que sua parte para manter o funcionamento da terceira maior economia do mundo.

Apesar de representarem mais de um terço da população, a população acima de 60 anos contribui com cerca de metade do gasto do consumidor, segundo dados do governo. O gasto dos idosos está compensando a queda do consumo entre as gerações mais jovens, segundo o UBS.

Tabela de gasto do consumidor no Japão de 2012 a 2015 (Foto: Reprodução/Bloomberg)

Tabela de gasto do consumidor no Japão de 2012 a 2015 (Foto: Reprodução/Bloomberg)

O primeiro-ministro Shinzo Abe esperava desencadear um “ciclo virtuoso” de lucros corporativos e aumentos salariais maiores que impulsionariam gastos domésticos mais fortes, mas isso não se materializou.

Um dos grandes motivos é a angústia relacionada ao envelhecimento, segundo o Goldman Sachs. O declínio do consumo nominal a longo prazo foi particularmente agudo entre os consumidores nas faixas de 40 e 50 anos, em parte devido aos salários estagnados e ao aumento dos prêmios do seguro social, afirmou o Goldman em relatório neste ano.

Quando o trabalhador se aposenta, seus hábitos de consumo mudam. Ele gasta mais com saúde, o que não é surpresa. Mas também aumentam os gastos com atividades sociais, viagens e reformas residenciais. Já o gasto com automóveis cai porque há menos idosos dirigindo.

Embora os idosos estejam gastando mais no agregado, isso não necessariamente significa que todos eles estejam vivendo bem. Muitos dependem da renda das pensões públicas, segundo Hideo Kumano, economista-chefe do Dai-Ichi Life Research Institute.

“O consumo dos idosos vai crescer em lugares como lojas de conveniência e de desconto. Eles não vão poder ir a lojas de departamento, hotéis de luxo e lugares desse tipo”, disse ele.

Por Connor Cislo, da Agência Bloomberg.
*A versão original desta reportagem pode ser conferida no site da agência Bloomberg (em inglês).

Comentários