Notícias

Dólar tem 2ª queda seguida com expectativa de entrada de capital no Brasil

O dólar acumula perda de R$ 1,57% nas duas últimas sessões.

Do Mundo-Nipo com Agências

O dólar fechou em queda ante o real pelo segundo pregão consecutivo nesta terça-feira (9), influenciado por expectativas de entrada de capital diante das recentes captações corporativas no Brasil, corroboradas, em grande parte, pelo ciclo de aperto monetário conduzido pelo Banco Central.

A moeda norte-americana encerrou o dia em baixa de 0,29%, cotada a R$ 3,1090 na venda. Com isso, a moeda acumula desvalorização 1,57% na semana.

Segundo dados da BM&F, o movimento financeiro continuou fraco, em torno de US$ 780 milhões. O valor, no entanto, foi um pouco melhor que os US$ 720 milhões observados na véspera.

Nesta sessão, o dólar também recuava contra os pesos chileno e mexicano, após números mais fracos que o esperado sobre a inflação na China alimentarem apostas em mais estímulos no país.

“Há uma expectativa relevante de entradas que faz com que, na ausência de grandes notícias, o dólar tenha algum alívio aqui”, disse à agência Reuters o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva Filho, ressaltando que o anúncio do programa de infraestrutura pelo governo federal nesta manhã também contribuiu para o bom humor.

A Petrobras emitiu no início do mês US$ 2,5 bilhões em um raro título de 100 anos, na primeira investida da companhia no mercado internacional de capitais desde o estouro da Operação Lava-Jato. Na véspera, a Embraer emitiu US$ 1 bilhão em papeis com vencimento em 2025.

A expectativa de ingresso de recursos no país tem sido corroborada também pelo ciclo de aperto monetário conduzido pelo Banco Central. Na quinta-feira, será divulgada a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que deve trazer mais pistas sobre possíveis novas altas na Selic.

Atualmente, o mercado de DIs aponta pelo menos mais uma alta de 0,25 ponto percentual na Selic em julho, a 14%. Um número relevante de operadores, no entanto, vê mais duas elevações, de 0,50 ponto e 0,25 ponto, o que levaria a taxa básica de juros a 14,50%.

Parte do bom humor relacionado à expectativa de entradas tem sido compensado por indicadores econômicos fortes sobre a economia dos EUA e declarações de autoridades do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que têm alimentado expectativas de que a autoridade monetária eleve os juros a partir de setembro. Nesse contexto, os rendimentos dos títulos de 10 anos dos EUA atingiram a máxima em sete meses nesta sessão.

“É claro que no médio prazo você tem uma perspectiva de valorização do dólar globalmente, mas o fato é que investir aqui ainda é bastante atraente”, disse o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira, em nota à imprensa.

Atuação do Banco Central do Brasil
Nesta manhã, o Banco Central vendeu a oferta total de até 7.000 swaps cambiais (contratos equivalentes à venda futura de dólares) em leilão para rolar parte dos contratos que vencem em julho.

O BC já rolou o equivalente a US$ 2,053 bilhões, ou cerca de 23% do lote total, que corresponde a US$ 8,742 bilhões.

Os leilões de rolagem servem para adiar os vencimentos de contratos que foram vendidos no passado.

(Com Agência Reuters)

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*