Notícias

Consumo de café cresce no Japão e atinge nível recorde em 2014, diz pesquisa

Os japoneses consumiram, em média, 11,13 xícaras de café por semana em 2014.

Do Mundo-Nipo

O consumo de café aumentou significativamente no Japão, crescendo a nível recorde em 2014, aponta uma pesquisa realizada pela All Japan Coffee Association (AJCA, na sigla em inglês), que é a principal organização do setor no país, criada em 1980 para unificar a indústria do café no Japão.

Divulgada nesta terça-feira (10), a pesquisa revelou que os japoneses consumiram 11,13 xícaras de café por semana em 2014. Esta é a maior quantidade desde que a organização iniciou o estudo em 1983. Em 2012, esta média foi de 10,73 xícaras e, em 2002, de 10,03.

Quando perguntados sobre onde tomam café, os entrevistados disseram em média que 7 das xícaras – da média de 11,13 por semana -, foram consumidas em casa. Três foram no escritório ou na escola e 0,2 xícaras em cafeterias.

Ainda sobre a média, 4,54 xícaras foram de café instantâneo e 3,63 de grãos moídos. O resto foi dividido entre café enlatado (1,84) e pronto para beber vendido em garrafas (1,11). O levantamento semestral foi realizado em outubro passado com 3.318 pessoas com idade entre 12 e 79 anos de idade.

O Japão, considerado um país que muito aprecia o chá como bebida, ainda está muito atrás de países europeus e também dos Estados Unidos na preferência pelo café. De acordo com o Euromonitor, que usa outra metodologia de cálculo, o consumo japonês, em 2014, foi de 207 xícaras por habitante, comparado com 240 na Coreia do Sul, 369 nos EUA e 1.252 na Finlândia (o campeão mundial).

Ainda assim, o Japão está na corrida para melhorar este ranking, em parte por causa da crescente popularidade do café fresco que as cadeias de lojas de conveniência têm introduzido no país ao longo dos últimos anos.

(Com infomações do Estadão Conteúdo)

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário


*