Notícias

Japão negocia com Emirados Árabes contrato de exploração petrolífera

Campo de petróleo da da Companhia Nacional de Petróleo de Abu Dhabi (Divulgação/ADNOC)

Japão luta para renovar uma concessão de exploração de campos de petróleo para uma empresa japonesa.

O ministro da Economia, Comércio e Indústria do Japão, Hiroshige Seko, pediu ao CEO da Companhia Nacional de Petróleo de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, para renovar uma concessão de exploração de campos de petróleo para uma empresa japonesa.

Há um grande empenho do ministro para a renovação do contrato, já que ele vai expirar já no final do ano fiscal de 2017, que termina em março de 2018.

Seko se encontrou no último domingo nos Emirados Árabes Unidos com o CEO da companhia árabe, o sultão Ahmed Al Jaber.

Um quarto das importações de petróleo do Japão provém dos Emirados Árabes Unidos. A empresa japonesa tem uma participação de 12% nos principais campos petrolíferos offshore da empresa árabe.

A Companhia Nacional de Petróleo de Abu Dhabi quer aumentar o número de clientes. Para tanto, tem negociado com mais de 10 empresas da China, França, entre outros países.

Algumas companhias planejam entrar no mercado, enquanto outras querem aumentar sua participação nos campos de petróleo.

A competição tem se intensificado e as negociações do Japão com os Emirados Árabes Unidos devem chegar a um ponto crucial no final deste ano.

Durante a viagem, a delegação japonesa concluiu um contrato provisório com a companhia de Abu Dhabi. O documento inclui o comprometimento do Japão em ajudar a petrolífera árabe com seus planos no exterior, além de colaboração mútua em outros projetos.

Seko conversou com repórteres após as negociações. Segundo o ministro japonês, oficiais de Abu Dhabi mostraram um certo grau de apreciação pela “sincera” contribuição do Japão.

Apesar do acerto do contrato provisório, Seko não mostrou confiança de que tal documento venha a ser ratificado, afirmando que o futuro das negociações ainda é incerto.

Do Mundo-Nipo
Fonte: NHK World News Japan.

Comentários