Notícias

Erupções no Monte Shinmoedake continuam e nível de alerta é elevado

Erupção no Monte Shinmoedake (Foto: Arquivo/Asahi)

Atividades vulcânicas continuam intensas e há grande possibilidade de evacuação.

A Agência Meteorológica do Japão (JMA, na sigla em inglês) elevou o nível de alerta nas proximidades do Monte Shinmoedake (Shinmoe-dake), em Kyushu, no sul do Japão, onde as atividades vulcânicas continuam intensas desde a manhã desta quarta-feira (11), quando o vulcão teve uma erupção explosiva pela primeira vez em seis anos.

A explosão ocorreu na cratera central do monte, por volta das 05h34 locais de quarta-feira (17h34 de terça-feira no horário de Brasília), lançando uma cortina de fumaça que estendeu por cerca de 300 metros de altura.

O monte vinha apresentando atividade vulcânica intensa desde setembro passado. Mediante isso, a JMA fixou em 1 o nível de alerta (em uma escala de 1 a 5) e aumentou para 2 após a explosão pela manhã.

Esse nível de alerta, no entanto, foi elevado para 3 pela JMA na parte da tarde, isso porque o volume da fumaça aumentou a medida que as atividades vulcânicas prosseguem intensas.

O nível 3 significa que as pessoas devem manter distância da montanha, mas não implica na evacuação imediata das povoações mais próximas. Contudo, a JMA explicou que há grande possibilidade desse nível subir para 4 até quinta-feira, o que implicará em uma possível evacuação.

Enquanto isso, autoridades locais emitiram alertas contra cinzas e fluxos piroclásticos dentro de um raio de 2 quilômetros a partir da cratera do monte.

O Monte Shinmoedake tem 1.420 metros de altura e se estende entre as províncias de Kagoshima e Miyazaki. Ele faz parte da cordilheira Kirishima, que abriga um conjunto de vulcões na ilha de Kyushu, no sul do arquipélago japonês.

O vulcão não registrava uma grande erupção desde 7 de setembro de 2011, quando explodiu pela primeira vez em 52 anos. Na ocasião, a forte erupção lançou uma cortina fumaça a uma altura de 4 mil metros.

Do Mundo-Nipo
Fontes: NHK World News Japan | Agência Kyodo.

Comentários