Notícias

Bolsa de Tóquio dispara e fecha acima dos 19 mil pontos pela 1ª vem em 15 anos

O índice Nikkei lidera os ganhos dos mercados asiáticos em 2015, acumulando alta expressiva de 10,3%.

Do Mundo-Nipo com Agências

A Bolsa de Valores de Tóquio subiu mais de 1% nesta sexta-feira (13), acumulando ganhos pela quinta semana consecutiva, com o Nikkei superando o nível de 19 mil pontos pela primeira vez em cerca de 15 anos, em um movimento favorecido pelo forte apetite por ações dos fundos de pensão japonês.

O Nikkei 225, índice que reúne as empresas mais negociadas da bolsa japonesa, subiu 263,14 pontos, alta de 1,39% ante o fechamento anterior, encerrando aos 19.254,25 pontos, maior valor de fechamento desde de abril de 2000.

Já o indicador Topix, que agrupa os valores da primeira seção em Tóquio, avançou 13,70 pontos, alta de 0,89% ante o fechamento de quinta-feira, encerrando o dia aos 1.560,33 pontos.

O volume das transações na sessão principal subiu para o maior nível em quatro meses, somando cerca 3,198 bilhões de ações negociadas, em um dia que houve liquidação de futuros índices (para os futuros trimestrais do Nikkei e as opções mensais do Nikkei).

Ao superar a marca de 19.000 pontos, analistas estão agora mais convictos de que o Nikkei atingirá em breve o nível de 20.000 pontos. O índice lidera os ganhos dos mercados asiáticos em 2015, acumulando alta expressiva de 10,3% até esta sexta-feira.

“As compras permanecem em níveis elevados, especialmente por parte das instituições domésticas, apenas das elevadas precificações”, disse Toshihiko Matsuno, estrategista da SMBC Securites. “Com as mudanças relacionadas à alocação de ativos de grandes investidores, como o Fundo de Pensão do Governo (GPIF, a sigla em inglês), dentre outros, o mercado parece a caminho dos 20.000 pontos, com a maior exposição a ações”, acrescentou.

Nesta sexta-feira, dados inesperadamente fracos sobre as vendas no varejo dos Estados Unidos levantou dúvidas em relação ao tempo em que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) dará início à elevação da taxa de juro no país, que atualmente se encontra a quase zero. Até ontem, o mercado mantinha perspectivas de que a elevação da taxa poderia ocorrer no meio do ano.

“A subida das taxas seria um sinal de recuperação econômica dos EUA, mas também representa um aperto de liquidez nos mercados”, disse Hiroichi Nishi, gerente geral da SMBC Nikko Securities.

Enquanto isso, o sentimento otimista transita em Tóquio, com o Nikkei obtendo ganhos robustos desde o início da abertura da sessão de hoje. O mercado foi ainda apoiado pela notícia de que as grandes fabricantes de eletrônicos no Japão planejam acrescentar 3 mil (US $ 25) por mês ao salário base de seus trabalhadores, um movimento visto como grande incentivo a economia japonesa, já que, provavelmente, impulsionará os gastos das famílias.

“O otimismo de que a recuperação da economia doméstica vai ganhar impulso levantou o mercado”, disse Nishi.

Os ganhos de hoje em Tóquio incluíam os bons desempenhos de ações ligadas a empresas varejistas, com a Seven & i Holdings subindo 2,0% e a Fast Retailing avançando 1,7%.

A alta do índice Nikkei contou ainda com os fortes ganhos da Fanuc, que saltou 13,2% após o jornal Nikkei informar que a fabricante de robôs industriais pretende intensificar o diálogo com os acionistas. De acordo com a publicação do periódico, a empresa está sendo pressionada a comprar de volta suas ações pelo fundo de investimento norte-americano Third Point LLC.

A fraqueza da moeda japonesa também contribui para o resultado positivo no mercado acionário japonês, com o iene cotado hoje a 122,03 ienes por dólar, menor nível em sete anos. Com isso, papéis de montadoras, que são influenciados pelo câmbio, tiveram bons rendimentos, liderados pela Mazda Motor, que subiu 2,7%, seguido pela Nissan Motor, que teve ganhos de 2,1%.

(Com informações da Agência Kyodo e Jornal Nikkei)

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*