Notícias

BC do Japão mantém política monetária e reduz avaliação sobre a inflação

Foto: Aflo Images

O presidente do BC japonês destacou determinação em manter o fluxo de dinheiro.

O Banco do Japão (BoJ, o banco central japonês) manteve inalterada sua ultrafrouxa política monetária nesta sexta-feira (15), mas reduziu sua avaliação sobre a inflação, enquanto Haruko Kuroda, presidente do BoJ, destacou a determinação em manter o fluxo de dinheiro, reforçando a visão de que o Japão ficará defasado em relação a seus pares dos Estados Unidos e da Europa em desfazer as políticas da época da crise.

Kuroda afirmou que mudanças estruturais na economia, como o aumento da produtividade do setor de serviços, podem estar segurando a inflação, sinalizando que o banco central vai observar mais de perto os fatores que contêm os preços na reunião do próximo mês.

“A economia do Japão está vendo aperto do mercado de trabalho e melhora do déficit de produção, mas os preços não estão subindo muito. Assim, é mais apropriado manter pacientemente nosso poderoso afrouxamento monetário”, disse Kuroda em entrevista à imprensa.

Como esperado, o banco central deixou inalterada a política monetária ultrafrouxa nesta sexta-feira, mantendo a meta para a taxa de juros de curto prazo em -0,1% e a promessa de guiar o rendimento do título governamental de 10 anos em torno de zero.

A medida contrasta com a decisão do Banco Central Europeu de encerrar seu programa de compra de ativos este ano e com os aumentos de juros pelo banco central norte-americano, que sinalizou ruptura de suas políticas adotadas para enfrentar a crise financeira de 2007-2009.

“O aumento dos preços ao consumidor está em uma faixa de 0,5% a 1%”, disse o Banco do Japão em comunicado. Essa é uma visão abaixo da de abril, quando o banco central disse que a inflação estava em torno de 1%.

Kuroda afirmou que é natural a direção de política monetária do Banco do Japão divergir do Federal Reserve e da do BCE, dada a dificuldade em erradicar a mentalidade deflacionária no país.

“Cada país tem que optar pela melhor política monetária à luz de suas condições econômicas e de preços”, disse ele, acrescentando que é prematuro debater uma estratégia de saída para a política monetária ultrafrouxa.

Com Reuters Brasil

Comentários