Notícias

Associação Japonesa de Santos poderá reaver imóvel confiscado na II Guerra

Sede da Associação Japonesa de Santos (Foto: Distribuição)

Casarão histórico foi confiscado pelo governo brasileiro logo após o fim da Segunda Guerra.

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que autoriza a devolução definitiva do imóvel da sede da Associação Japonesa de Santos, confiscado após a Segunda Guerra Mundial. Como a proposta já passou pelo Senado Federal, ela segue agora para a sanção do presidente Michel Temer.

Aprovada na quinta-feira (10), a proposta foi elaborada pelo então deputado Koyu Iha e tramitou no Congresso Nacional desde 1994, sendo retomada por iniciativa do deputado federal João Paulo Papa (PSDB).

A aprovação do projeto contou com esforços dos diretores da Associação, o Cônsul Geral do Japão em São Paulo, o embaixador do Japão no Brasil, Kunio Umeda, e também do deputado federal.

História
A Associação Japonesa de Santos é sucessora da antiga Sociedade Japonesa de Santos, cujos primeiros registros datam de 1929 em uma escola mantida para ajudar no ensino dos descendentes de imigrantes. A escola e a antiga entidade funcionavam em um casarão adquirido com o apoio do governo japonês na Rua Paraná, 129, no bairro Vila Mathias.

No início da década de 1940, a eclosão da Segunda Guerra Mundial e as medidas nacionalistas do Estado Novo fizeram com que a Sociedade Japonesa de Santos mudasse seu nome para Sociedade Instrutiva Vila Mathias, para evitar prejuízos ao processo educacional da escola da comunidade nipônica.

O Brasil ingressou na Segunda Guerra Mundial junto aos grupo de países Aliados, que eram adversários do bloco do Eixo, o qual o Japão fez parte. Um decreto federal obrigou os japoneses e outros imigrantes das nações do Eixo a deixar a cidade – considerada área de segurança nacional – em um período de 24 horas. As atividades culturais e educacionais da entidade foram suspensas.

Após o fim da guerra e com uma minúscula quantidade de imigrantes japoneses em Santos, um outro decreto federal dissolveu as sociedades civis de imigrantes dos países do Eixo e transferiu o patrimônio destas entidades ao Governo Federal. Com isso, a Sociedade Japonesa de Santos foi dissolvida, e o casarão onde funcionava a escola na Rua Paraná foi incorporado ao patrimônio do governo brasileiro.

Em 2006, a Secretaria de Patrimônio da União permitiu o uso do imóvel para as atividades da Associação Japonesa de Santos e, em 2008, o casarão foi reinaugurado com a presença do príncipe Naruhito, durante as comemorações do Centenário da Imigração Japonesa.

Hoje, o espaço recebe eventos, cursos e atividades culturais, além de manter o ensino da língua japonesa em uma escola com mais de 100 alunos.

*Notícia sugerida ao Mundo-Nipo pela Associação Japonesa de Santos.

Comentários