Notícias

Urso mata funcionária de parque no leste do Japão

©Mainichi

O urso destruiu a barra de aço de proteção da janela do veículo onde estava Kiyomi Saito, de 46 anos.

Uma funcionária de um parque safári na província de Gunma, do leste do Japão, morreu após ser atacada, na terça-feira (16), por um urso enquanto realizava uma patrulha no local que tem 360 mil metros quadrados. Segundo a imprensa local, a mulher, de 46 anos, estava dentro de seu veículo quando o urso a atacou.

O incidente ocorreu no Gunma Safari Park, na cidade de Tomioka, onde milhares de animais de aproximadamente 100 espécies vivem livremente.

Citando fontes policiais, a emissora pública ‘NHK’ informou que a polícia foi acionada pelo parque. No local, os policiais encontraram uma das janelas do veículo aberta, com a barra de aço que protege a janela arrebentada.

A funcionária, identificada como Kiyomi Saito, foi encontrada gravemente ferida dentro do veículo e levada para um hospital local, onde teve a morte confirmada. Ainda de acordo com a ‘NHK’, Saito dedicou cerca de 25 anos de sua vida como funcionária do parque, que foi inaugurado em 1979.

No mesmo dia do ataque, a direção do parque informou que o urso foi capturado e está isolado. Trata-se de um urso preto asiático macho, com aproximadamente 160 quilos e 1,70m de altura, disseram.

Autoridades policiais disseram que estão investigando os detalhes do ataque para apurar se há negligência em relação à segurança no parque, que atrai anualmente mais de 100 mil visitantes locais e estrangeiros, segundo o jornal ‘Mainichi’.

A direção do Gunma Safari Park afirmou hoje (17) ao ‘Mainichi’ que “a área onde ocorreu a tragédia segue interditada” e prometeu que “medidas de segurança do local serão reforçadas”.

Contudo, um funcionário do parque, que não teve o nome divulgado, disse ao ‘Mainichi‘ que as barras de proteção nos veículos usados pelos trabalhadores no parque não são suficientemente fortes para proteger contra ataques de animais grandes e ferozes, como ursos.

O funcionário explicou que a decisão de usar uma simples barra de proteção é “porque ela permite jogar alimentos para os animais pela janela“.

Ele explicou ainda que, normalmente, os veículos de trabalho nos parques safáris têm as janelas protegidas por uma malha de aço resistente, mas esse tipo de proteção “não permite que o trabalhador alimente os animais através da janela”, além de “prejudicar a visibilidade”, afirmou ele, acrescentando que o uso de uma simples barra de proteção é “uma questão de compromisso entre segurança e conveniência”, de acordo com o ‘Mainichi’.

Comentários