Notícias

Quase metade dos japoneses com até 34 anos é virgem, diz pesquisa

©Kiyoshi Ota Photos

A pesquisa só reiterou os desafios do governo para impulsionar a natalidade e frear o alarmante descenso populacional.

Atualizado em 15/12/2016


Quase metade dos adultos japoneses com até 34 anos de idade nunca teve relações sexuais, enquanto a maioria das pessoas solteiras se encontra sem um par amoroso, ou seja, não namora, de acordo com o levantamento nacional sobre a população japonesa e que é compilado a cada cinco anos pelo National Institute of Population and Social Security Research (IPSS), principal órgão japonês de investigação nacional, criado em 1996.

Divulgada este mês, a pesquisa de âmbito nacional foi realizada em junho de 2015 e contou com a participação de 8.754 pessoas na faixa etária entre 18 e 34 anos, além de 6.598 casais com matrimônio estabelecido por mais de dez anos.

No Japão, país onde a população sofreu descenso de quase 1 milhão nos últimos cinco anos, 42% dos homens e 44,2% das mulheres com idade entre 18 e 34 anos ainda não tiveram experiência sexual, ou seja, são “virgens”, aponta o levantamento divulgado na sexta-feira (16).

A tendência na sociedade japonesa parece ter-se deteriorado desde o último estudo do IPSS, compilado em 2010. No início da década, apenas 36,2% dos homens e 38,7% das mulheres disseram que nunca haviam experimentado relações sexuais.

O levantamento confirma ainda que os relacionamentos amorosos estão cada vez mais longe de ser uma prioridade para os jovens adultos, com 59,1% das mulheres e 69,8% dos homens afirmando que são sozinhos, ou seja, não namoram.

Enquanto isso, a porcentagem entre os solteiros que não têm pretensões de namorar ou “que não estão à procura de um relacionamento heterossexual no momento” ficou em cerca de 30% para os homens e 26% entre as mulheres.

Os pesquisadores observaram que a tendência é improvável que mude em um futuro próximo, em vista de que 90% dos entrevistados afirmaram que não têm pressa de contrair matrimônio, mas pretendem fazê-lo “em algum momento no futuro”.

Os pesquisadores observaram ainda que a demografia do país enfrenta desafios com o aumento das mulheres solteiras na faixa etária dos 20 anos, idade em que as mulheres são mais férteis.

Em relação aos pesquisados casados, o estudo revelou um declínio recorde na taxa de filhos por família. O número de crianças entre aqueles que estão casados por um período entre 15 e 19 anos apresentou média de apenas 1,94. O índice é o pior entre todos os levantamentos já realizados pelo IPSS.

Apesar disso, os casais manifestaram desejo de ter mais filhos, para uma média de 2,32 por família. Contudo, 56,3%dos casais apontaram os altos custos com a criação das crianças como justificativa para optarem por um menor número de filhos.

Aumentar a taxa de natalidade no país é um dos desafios do primeiro ministro do Japão, Shinzo Abe, que visa elevar o índice dos atuais 1,4 para 1,8 filhos por família em 2025.

A população japonesa está agora estimada em 127,1 milhões. O número vem declinando drasticamente, com descenso médio de 0,7% entre 2010 e 2015, de acordo com o último censo do governo japonês, que apresenta anualmente crescimento forte na população de idosos.

No geral, a população japonesa caiu quase 1 milhão nos últimos cinco anos e a previsão é que a demografia despenque para cerca de 83 milhões em 2100. Desse total, cerca de 35% dos japoneses terão idade superior a 65 anos, segundo o último levantamento da Organização das Nações Unidas (ONU).

Comentários