Notícias

Crescimento da inflação no Japão segue desacelerando

Imagem: Reprodução / YouTube / Asahi

Embora tenha crescido pelo 16º mês seguido, o ritmo das altas de preços no Japão desacelerou mais em abril.

O principal indicador da inflação ao consumidor no Japão, ou seja, o núcleo do Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês), que inclui todos os itens, mas elimina os efeitos de alimentos frescos, subiu 0,7% em abril na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados do governo do pais divulgados nesta sexta-feira (18), sinalizando que o ritmo de crescimento dos preços no país desacelerou ainda mais no primeiro mês do ano fiscal de 2018, que no Japão começa em abril.

Trata-se do décimo sexto mês consecutivo de aumento do índice em termos anualizados. Contudo, a alta veio mais fraca do que o aumento de 0,8% previsto pelos economistas consultados pelo jornal financeiro “Nikkei”.

Na comparação mensal, o núcleo do CPI, que não considera os preços dos alimentos frescos, recuou 0,1% em termos sazonalmente ajustados, situando-se em 100,9 pontos contra uma base de 100 estabelecida em 2015, de acordo com a leitura divulgada no site do Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações do Japão.

Enquanto isso, o núcleo do CPI que elimina os preços voláteis de alimentos frescos e de energia, medida preferida pelo Banco do Japão (BoJ, o banco central japonês) para avaliar a inflação, registrou alta de 0,4% em abril na comparação anual e recuou 0,1% ante o mês anterior, somando 101,0 pontos no quarto mês de 2018.

No mesmo período, o núcleo do CPI que inclui todos os itens, subiu 0,6% na base anual, enquanto sofreu declínio de 0,4% em relação a março. O índice nessa base de comparação situou-se em 100,9 pontos.

O resultado do CPI é outro sinal preocupante para o Banco do Japão, que vem tentando estimular um ciclo virtuoso de salários mais altos, gastos mais robustos e inflação mais forte.

Dados do governo divulgados no início desta semana mostraram que a economia do Japão se contraiu pela primeira vez em dois anos nos primeiros três meses de 2018 devido ao fraco consumo privado e ao investimento empresarial.

Do Mundo-Nipo
Fontes: Valor Online | Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações do Japão.

Comentários