Notícias

Brasil e Japão aprofundam cooperação no setor de defesa

Os chefes de Estado das Forças Armadas de Brasil e Japão se reuniram na sede do Ministério da Defesa, em Brasília.

Os chefes de Estado das Forças Armadas de Brasil e Japão se reuniram ontem (22) na sede do Ministério da Defesa, em Brasília, onde expressaram interesse em aprofundar a cooperação no setor de defesa. É a primeira vez que um chefe de Estado-Maior japonês visita o Brasil.

“Temos interesse em aprofundar essa cooperação, principalmente no que tange os produtos de defesa”, disse almirante Ademir Sobrinho, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Brasil após se reunir com seu monólogo japonês, general Kiyofumi Iwata, chefe do Estado-Maior da Força Terrestre de Autodefesa do Japão, informou o “Portal Brasil, página oficial do governo federal brasileiro.

Brasil e Japão possuem 121 anos de relações diplomáticas, e, desde outubro de 2014, quando o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe esteve no Brasil, iniciou-se relação de cooperação no setor de defesa.

O general Iwata frisou que as Forças Armadas mantêm ações comuns ligadas à defesa e à integridade de seus territórios. “Em visita ao Comando do Exército brasileiro, pudemos conhecer alguns projetos estratégicos brasileiros e perceber como podemos integrar com o Exército japonês”, antecipou.

Iwata disse também que a experiência acumulada pelo Brasil de sediar as Olimpíadas é de interesse de seu país. “Nos Jogos Olímpicos, as Forças Armadas brasileiras terão um papel preponderante e nós temos muito que aprender, porque daqui a quatro anos o Japão irá sediar os Jogos”, concluiu Iwata.

Após passagem por Brasília, a comitiva segue viagem para Manaus e Dourados (MS), onde visitará, o Centro de Instrução de Guerra na Selva e o Sistema de Monitoramento de Fronteiras do Brasil (Sisfron), de acordo com a publicação do Portal Brasil.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*