Notícias

Japão condena ataque terrorista em Londres

Foto: Reprodução/NHK

O ataque ocorreu diante do Parlamento britânico. Três pessoas morreram e dezenas foram feridas.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, condenou o ataque terrorista ocorrido na manhã de quarta-feira (22) no Reino Unido, no qual resultou na morte de três pessoas, informou a emissora estatal japonesa ‘NHK’.

Nesta manhã, Abe conversou com repórteres e expressou o forte apoio de seu país ao povo britânico e a premiê Theresa May.

“O terrorismo jamais poderá ser tolerado”, disse Abe após oferecer condolências às vítimas fatais e expressar solidariedade aos feridos no ataque.

Ainda de acordo com a ‘NHK’, Abe declarou que o Japão está ao lado da primeira-ministra May e do povo britânico neste difícil momento, reafirmando ainda que seu governo segue firme junto à comunidade internacional para combater o terrorismo no mundo.

O ataque ocorreu diante do Parlamento britânico, em Londres. Segundo a agência de notícias ‘Kyodo, as três vítimas fatais do atentado são a professora britânica Aysha Frade, de 43 anos, o policial britânico Keith Palmer, de 48 anos, que foi morto a facadas no ataque, e o norte-americano Kurt Cochran, de 54 anos, que morreu depois de ter sido atropelado pelo agressor na Ponte Westminster. Sua esposa também foi atingida e levada ferida para o hospital.

O terrorista, identificado como Khalid Masood, morreu baleado pela polícia. Mais tarde, a autoria do atentado foi reivindicada pelo grupo terrorista Estado Islâmico.

Na manhã de quarta-feira, Masood atropelou dezenas de pessoas na ponte Westminster até bater na grade de entrada do Parlamento britânico. Depois disso, saiu do carro correndo e esfaqueou o policial Palmer. Masood morreu após ser baleado diante do parlamento, conforme noticiou a ‘Kyodo’.

A polícia disse que Masood, de 52 anos, nasceu no condado de Kent, no sudeste da Inglaterra, e estava mais recentemente morando na região de West Midlands, no centro do país.

“Masood não era alvo de nenhuma investigação atual e não havia informação anterior de inteligência sobre sua intenção de realizar um ataque terrorista”, disse a Polícia Metropolitana de Londres em comunicado. “Entretanto, ele era conhecido da polícia e tem uma série de condenações anteriores por agressões, posse de armas e ofensas à ordem pública.

Comentários