Notícias

Navios chineses invadem águas japonesas e ignoram alerta de retirada

Foto: Arquivo/Kyodo

Trata-se da 16ª incursão chinesa na zona econômica exclusiva do Japão apenas em 2017.

Autoridades da Guarda Costeira do Japão anunciaram que quatro navios chineses de patrulha entraram temporariamente nas águas territoriais japonesas perto das ilhas Senkaku, no Mar da China Oriental, e ignoraram alerta de retirada, informou neste sábado (24) a emissora estatal japonesa ‘NHK’.

As autoridades afirmaram que os navios navegaram em águas próximas as ilhas de Uotsuri e Minamikojima, duas das cinco ilhotas que compõem o pequeno arquipélago Senkaku, que é administrado pelo Japão e reivindicado pela China e Taiwan.

A Guarda Costeira Japonesa avistou as embarcações chinesas por volta das 10h locais deste sábado (22h de sexta-feira em Brasília), ao largo dessas duas ilhotas, onde permaneceram por cerca de duas horas, partindo antes do meio dia de sábado.

As autoridades japonesas observaram que os quatro navios patrulhas cruzaram a zona econômica exclusiva do Japão, ou seja, invadiram águas territoriais japonesas.

O órgão salientou que os membros do navio da Guarda Costeira Japonesa avisou os navios chineses para ficar fora da área, o que não foi obedecido somente duas horas após o alerta.

Trata-se da 16ª vez que navios do governo chinês entram em águas japonesas apenas em 2017. Além disso, incursões chinesas na zona econômica exclusiva do Japão ocorreram pela segunda vez este mês, a primeira foi no último dia 5.

Ricas em recursos naturais, as ilhotas desabitadas são administradas pelo Japão e reivindicadas por China e Taiwan, que eles chamam de Diaoyu e Tiaoyutai, respectivamente. Tóquio, no entanto, afirma que as Ilhas Senkaku são parte inerente do território do Japão.

A relação entre China e Japão, segunda e terceira maiores economias do mundo, respectivamente, é amplamente considerada crucial para a estabilidade regional. Contudo, a disputa em torno da soberania das ilhas no Mar do Leste da China Oriental tem sido principal motivo do alargamento das tensões, principalmente pelas insistentes incursões chinesas no entorno dessas ilhas.

Contudo, as tensões entre Pequim e Tóquio deterioraram após o governo de Shinzo Abe realizar uma reforma militar e permitir, pela primeira vez desde o fim da Segunda Guerra Mundial, o uso de suas forças de autodefesa no exterior.

Fontes: Canal NHK News | The Asahi Shimbun.

Comentários