Notícias

Morre príncipe Mikasa, membro mais velho da família imperial do Japão

Príncipe Mikasa (Foto: Reprodução/YouTube)

O príncipe centenário faleceu esta manhã por complicações oriundas de uma pneumonia aguda.

O príncipe Mikasa, tio do imperador Akihito, morreu nesta quinta-feira (27) por complicações oriundas de uma pneumonia aguda. Ele tinha 100 anos e era o membro mais velho da família imperial japonesa, informou a imprensa japonesa.

De acordo com a Agência da Casa Imperial, Mikasa estava internado em um hospital em Tóquio desde medos de maio. Inicialmente, a internação ocorreu por conta de uma pneumonia, o que teria piorado nos últimos dias, noticiou a agência ‘Kyodo’.

Segundo fontes citadas pela emissora pública ‘NHK’, o príncipe centenário passou a entrar e sair da unidade de terapia intensiva devido a uma série de problemas de saúde, que incluíam cardiopatia e a piora da pneumonia. No final de junho, ele foi submetido a um implante de marcapasso.

Na manhã desta quinta-feira, o estado de saúde do príncipe piorou, e ele veio a falecer às 8h34 locais (21h34 de quarta-feira em Brasília) após sofrer ataque cardíaco, explica a Casa Imperial em comunicado.

O príncipe Mikasa nasceu em 2 de dezembro de 1915 e era o irmão mais novo do antigo imperador Hirohito, que governou por mais de 60 anos.

Mikasa foi um grande estudioso da história do antigo Oriente e lecionou em faculdades, além de ser presidente honorário do Centro de Cultura do Oriente Médio no Japão.

A morte de Mikasa coincide com a atenção ao futuro da envelhecida e encolhida família imperial e reabre a discussão se mulheres devem assumir o trono, quebrando assim a tradição de somente homens na linha sucessória.

Em agosto, o imperador Akihito, de 82 anos, indicou que quer abdicar o trono – uma decisão inédita no Japão moderno e não possível sob a atual lei.

Contudo, o governo japonês tem se empenhado em satisfazer o suposto desejo do imperador, criando um comitê de especialistas para discutir o caso e assim viabilizar a abdicação de forma “menos complicada” do que mexer na atual Constituição Japonesa.

Comentários