Notícias

Abe diz que sua política criou ciclo econômico favorável ao Japão

©Shogo Koshida/Asahi Photos

Abe falou hoje no Parlamento Japonês em resposta às críticas de Renho, líder do oposicionista Partido Democrático.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, afirmou nesta quarta-feira (28) que suas políticas econômicas, denominada ‘Abenomics’, geraram um “ciclo econômico favorável no país”. Apesar da persistente fraqueza no crescimento, Abe argumentou ainda que o país “tem se distanciado da deflação”.

As declarações do líder da terceira maior economia do mundo ocorreram esta manhã, durante uma sessão na Câmara Alta do Parlamento Japonês, em resposta às críticas da parlamentar Renho, líder do oposicionista Partido Democrático.

De acordo com a emissora pública ‘NHK’, Renho declarou que as políticas de Abe ainda “precisam atingir os resultados prometidos”. A parlamentar disse que, diante da atual situação, é necessário revisar a atual política econômica e “realizar mudanças drásticas nas medidas” que, segundo ela, ainda “não se mostraram eficazes para promover o crescimento”.

Renho enfatizou que o governo de Abe deveria focar mais em “investir em pessoas” para reconstruir a economia. A líder do Partido Democrático explicou que tais investimentos incluiriam “assistência para a educação e a criação dos filhos, o treinamento vocacional para trabalhadores e a seguridade social reforçada para os idosos”.

Ainda de acordo com a ‘NHK’, o premiê contra-argumentou dizendo que o Japão sofreu com a deflação por 20 anos antes que sua política passasse a vigorar.

“Dados mostram significativo crescimento em amplos setores depois de 2012”, disse Abe, que assumiu o poder em dezembro de 2012. Segundo a agência de notícias ‘Kyodo’, Abe afirmou ainda que suas políticas econômicas geraram um “ciclo econômico favorável ao país”.

O premiê japonês se comprometeu a cumprir suas responsabilidades e acelerar o crescimento. Ele acrescentou que planeja aprovar um novo orçamento suplementar em breve, visando apoiar a demanda interna e investir no futuro do país.

Comentários