Notícias

Terremoto de forte intensidade sacode o sul do Japão

O mapa mostra o epicentro do tremor e as áreas afetadas (Foto: Reprodução/JMA)

O epicentro ocorreu na já afetada província de Kumamoto, atingindo grau 5 na escala japonesa.

Um terremoto de forte intensidade na escala japonesa abalou a região sul do Japão nesta quarta-feira (31), afetando, principalmente, a província de Kumamoto, área já debilitada devido a vários tremores em abril passado, informou a Agência Meteorológica do Japão (JMA, sigla em inglês), acrescentando que não houve risco de tsunami.

De acordo com a JMA, o terremoto atingiu magnitude 4,9 na escala Richter e ocorreu às 19h46 locais desta quarta-feira (07h46 em Brasília), com epicentro registrado na cidade de Kumamoto, a uma profundidade de 10 quilômetros. A agência alerta para a possibilidade de réplicas (tremores secundários) na região.

O forte abalo foi sentindo em várias províncias de Kyushu, ilha no sul do país. A área mais afetada, no entanto, foi a cidade de Kumamoto, onde a intensidade atingiu -5 na escala japonesa, que vai até 7 – o grau de magnitude equivale à intensidade do terremoto no epicentro, enquanto a escala japonesa considera o nível de abalo sentido na superfície da terra.

A região de Kyushu tem sofrido uma série de terremotos desde abril, quando dois fortes tremores de grau máximo de 7 na escala japonesa atingiram a província deixaram, o que seguiu mais de dois mil tremores secundários no decorrer de dois meses, com alguns registrando 5 graus, o que resultou na morte de dezenas de pessoas, causando ainda sérios danos a centenas de edificações – muitas foram totalmente destruídas.

O Japão faz parte do chamado ‘Anel de Fogo do Pacífico’, uma das zonas sísmicas mais ativas do mundo, e sofre terremotos diariamente. Mediante a isso, o país possui uma infraestrutura desenvolvida para resistir tremores que poderiam ser fatais em outras partes do mundo.

*Para saber mais detalhes, como áreas atingidas e suas respectivas intensidades do tremor, visite a página com os dados do terremoto no site oficial da JMA.

Comentários