Política

Navios chineses navegam perto de ilhas disputadas pelo 7º dia consecutivo

O Secretário Chefe do Gabinete japonês, Yoshihide Suga, reiterou que não existem questões territoriais entre o Japão e a China.

Do Mundo-Nipo

Yoshihide Suga, Secretário Geral do Gabinete do Japão (Foto: AFLO)

Yoshihide Suga, Secretário Geral do Gabinete do Japão (Foto: AFLO)

Três navios pesqueiros chineses foram avistados navegando na zona contígua perto das disputadas Ilhas Senkaku, no Mar da China Oriental, nesta segunda-feira.

É a sétima vez consecutiva que os navios da China são vistos em torno das ilhas, conhecidas também como Diaoyu.

As ilhas são controladas pelo Japão, mas reivindicadas pela China e Taiwan.

Os laços bilaterais entre os governos japonês e chinês pioraram desde que o Japão comprou a maior parte das ilhas de um proprietário privado em setembro do no passado.

Nesta segunda-feira, o Secretário Chefe do Gabinete japonês, Yoshihide Suga, reiterou que não existem questões territoriais entre o Japão e a China.

Suga disse em conferência de imprensa que a posição do governo de que as ilhas Senkaku são uma parte inerente do Japão é baseado na história e no direito internacional. Ele também disse que o Japão efetivamente controla as ilhas.

O secretário geral também disse que o Japão nunca concordou com um “arquivamento ou manutenção do status quo” sobre as ilhas, uma vez que, “em primeiro lugar, não havia nenhum problema para ser arquivado”.

O comentário de Suga foi uma resposta ao General Major chinês Yao Yunzhu, que disse a jornalistas, durante uma conferência sobre segurança em Cingapura, no último sábado, que os líderes do Japão e da China concordaram em “engavetar a disputa em 1970, quando foram normalizadas as relações bilaterais”.

 

Para saber mais sobre Política, clique em mundo-nipo.com/politica. Siga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*