Política

Coreia do Norte abre possibilidade de novo teste atômico após sanções da ONU

A Coreia do Norte advertiu que responderá às sanções com o reforço das “capacidades militares de autodefesa, incluindo a dissuasão nuclear”..

Da agência EFE

Atahualpa Amerise.

Kim Jong-un (Imagem: EPA/KCNA - Reprodução MN)

Kim Jong-un (Imagem: EPA/KCNA – Reprodução MN)

Seul, 23 jan (EFE).- Os temores da possibilidade de um novo teste atômico por parte da Coreia do Norte se intensificaram depois que Pyongyang prometeu recorrer à “dissuasão nuclear” após as novas sanções do Conselho de Segurança da ONU por seu recente lançamento de um foguete de longo alcance.

Em comunicado divulgado pela agência estatal “KCNA”, o regime comunista liderado pelo jovem Kim Jong-un advertiu que responderá às sanções com o reforço das “capacidades militares de autodefesa, incluindo a dissuasão nuclear”.

Isto “representa a ameaça de um novo teste atômico”, afirmou à Agência Efe Park Su-jin, porta-voz do Ministério da Unificação da vizinha Coreia do Sul, onde voltou a ganhar força a hipótese de que o Norte fará em breve um teste nuclear em seu território, que seria o terceiro deste tipo.

A porta-voz qualificou como “lamentável” a resposta de Pyongyang e pediu ao país vizinho para que “cesse seus provocações” e respeite as resoluções do Conselho de Segurança.

O regime norte-coreano informou, em seu comunicado, que “no futuro pode haver negociações para a paz e estabilidade da península coreana e da região”, mas “nunca para a desnuclearização”, o que representa um sonoro não à possibilidade de retomar as conversas de seis lados.

Esse diálogo multilateral, orientado a pôr fim ao programa nuclear norte-coreano e do qual participam as duas Coreias, Estados Unidos, China, Japão e Rússia, está estagnado desde 2008.

Desde que a Coreia do Norte lançou, no dia 12 de dezembro, seu foguete de longo alcance, que pôs em órbita o primeiro satélite do país comunista, Seul e Washington vinham reivindicando novas sanções ao Conselho de Segurança, que na madrugada passada aprovou por unanimidade a resolução 2087.

Ela decreta o congelamento de ativos do Comitê Coreano de Tecnologia Espacial, de um banco e de quatro companhias comerciais da Coreia do Norte por sua relação com o lançamento.


saiba mais


Seul celebra sanções contra Pyongyang, mas teme teste nuclear


Coreia do Norte põe fim ao processo de desnuclearização após sanções da ONU


ONU impõe novas sanções contra Coreia do Norte por lançamento de foguete


ONU impõe novas punições à Coreia do Norte por lançamento de foguete


Também impõe o mesmo castigo, além de proibições de viagem, a quatro cidadãos norte-coreanos envolvidos na operação espacial, e exige a Pyongyang que respeite as resoluções anteriores que restringem severamente seu desenvolvimento e comércio nos âmbitos de armas e nuclear.

As novas sanções da ONU receberam sinal verde da China, que se uniu à condenação do lançamento feito pela Coreia do Norte, o que gera incertezas sobre o futuro da histórica relação de amizade que une os dois Estados comunistas do Nordeste da Ásia.

Além disso, Coreia do Sul e EUA poderão preparar sanções adicionais contra o Norte, e há chance de que isso seja abordado pelo enviado especial de Washington à Coreia do Norte, Glyn Davies, em reunião amanhã em Seul com seu colega sul-coreano, Lim Sung-nam.

Neste sentido, o regime norte-coreano acusou hoje os Estados Unidos de manter uma “dupla moral” por considerar punível que o país tenha usado tecnologia de mísseis balísticos para fabricar seu foguete.

“Eles sabem melhor que ninguém que a tecnologia de mísseis balísticos é o único meio para lançar satélites”, expôs em seu comunicado a Coreia do Norte, a quem a ONU tem proibido de usar este tipo de recurso em projéteis de longo alcance.

Pyongyang realizou em 2006 e 2009 dois testes nucleares que incluíram, respectivamente, o lançamento de mísseis balísticos e uma tentativa fracassada de enviar ao espaço um foguete de longo alcance.

A possibilidade de um próximo teste nuclear gera preocupação na Coreia do Sul desde abril, quando houve alerta de movimentos incomuns na base norte-coreana que sediou os dois testes anteriores atômicos anteriores.

Washington e Seul mantêm uma sólida aliança militar frente à qual consideram uma “ameaça” norte-coreana desde a Guerra da Coreia (1950-53), conflito que terminou com um armistício – e não com um acordo de paz -, o que faz com que até hoje os dois países da península coreana estejam em estado técnico de guerra. EFE

 

Veja mais notícias sobre Política em mundo-nipo.com/politica. Siga o Mundo-Nipono Twitter e Facebook.

 

Agência EFE – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem a autorização prévia por escrito da Agência EFE S/A.

Comentários

Deixe de comentário

*