Política

China diz que Japão não conquistou apoio explicito dos EUA sobre disputa territorial

“Washington dessa vez intencionalmente minimizou a questão, abstendo de forma clara o seu apoio”.

Do Mundo-Nipo

A imprensa oficial chinesa disse neste domingo que o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, falhou em conquistar apoio explicito dos Estados Unidos, em meio a disputa territorial com a China, durante as conversações com Barack Obama na sexta-feira (22).

 

Shinzo Abe 002 (Foto: Nippon News)

Shinzo Abe, primeiro-ministro do Japão (Foto: Nippon News)

 

“Abe falhou no cumprimento de sua oferta principal para solicitar apoio explícito sobre a disputa territorial com a China, conforme Washington  pesava entre o desejo de reforçar os laços tradicionais com Tóquio contra a crescente necessidade de cultivar relações saudáveis com Pequim”, informou a agência Xinhua, em uma análise sobre a visita de Abe aos EUA.


saiba mais


Japão confirma isenção de corte de tarifas para entrar em Parceria Trans-Pacífica


Abe e Obama concordam em fortalecer laços bilaterais


Abe e Obama se reúnem para discutir tensões no Leste Asiático


“Washington dessa vez intencionalmente minimizou a questão, abstendo de forma clara o seu apoio”, acrescentou.

A agência estatal chinesa que o que ocorreu na reunião entre Abe e Obama foi o “contrário” da esperança japonesa de mostrar a “robusta” aliança entre os dois países.

A Xinhua ainda observou que Obama evitou mencionar à disputa territorial pelas Ilhas Senkaku/Diaoyu.

De acordo com a agência, o resultado da visita de Abe foi a tentativa de um equilíbrio complicado por parte do governo norte-americano, mostrando que o país “odeia ver suas alianças altamente entrelaçados com Pequim sendo danificados pelo comportamento imprudente do Japão”.

 

Para saber mais sobre Política, clique em mundo-nipo.com/politica. Siga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*