Sociedade

Comunidade brasileira no Japão volta a crescer após 6 anos seguidos de retração

Em seis anos, mais de 150 mil brasileiros retornaram ao Brasil até 2014. Problemas trabalhistas foram as principais causas.

A comunidade brasileira no Japão voltou a crescer em 2015, após ter encolhido ano a ano, desde a crise econômica de 2008, mostraram dados do governo japonês.

Em seis anos, mais de 150 mil brasileiros retornaram ao Brasil. Até 2014, muitos brasileiros já haviam entrado novamente no Japão, mas o número de saídas ainda superava o de chegadas.

A comunidade brasileira diminuía, em média, cerca de 2 mil pessoas por ano, com picos entre 2009 e 2011, segundo dados do Ministério da Justiça do Japão.

No entanto, nos três primeiros meses deste ano, a comunidade teve um pequeno – mas relevante – crescimento de 2.625 brasileiros, e a tendência, segundo especialistas no mercado consultados pela BBC, é aumentar cada vez mais por causa da alta produtividade da indústria japonesa.

“O Japão vai começar inclusive a importar mais mão de obra barata da Ásia”, disse à BBC Adriano Okamoto Grohmann, de 46 anos, que trabalha em uma fábrica e é membro da Nagoya Fureai Union, entidade que luta por direitos de trabalhadores.

Para ele, nestes 25 anos de movimento decasségui, a única área em que quase não houve evolução foi a trabalhista. Ele diz que os órgãos japoneses que deveriam fiscalizar e defender o trabalhador fazem vista grossa. “Quando defendemos na Justiça algum caso, percebemos que eles fazem de tudo para não reconhecer que o estrangeiro está certo”, critica.

Entre os principais problemas trabalhistas, ele cita os contratos de curta duração, o não pagamento das férias e a demissão de grávidas.

“Realmente, sobram empregos, mas os abusos continuam, e ninguém protege o trabalhador estrangeiro”, afirmou Grohmann, que resolveu se naturalizar japonês para tentar garantir seus direitos.

Fontes: Agência Kyodo | BBC News.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários