Sociedade

Número 2 da máfia japonesa se entrega à polícia

O segundo homem mais poderoso da Kudokai, um dos grupos mais violentos da Yakuza, se entregou neste sábado.

Do Mundo-Nipo

O segundo homem mais poderoso da organização mafiosa Kudokai, um dos grupos mais violentos da Yakuza, se entregou à polícia neste sábado (13), depois de ter um mandado de prisão emitido por participado de um homicídio ocorrido há 16 anos em Kitakyushu, na príncia de Fukuoka, informou a imprensa japonesa.

De acordo com a TV Asahi, Fumio Tanoue, de 58 anos, ligou para a delegacia dizendo que queria se entregar, fornecendo o endereço do local onde se encontrava.

A prisão de Tanoue ocorre dias depois que o chefe do grupo, Satoru Nomura, de 67 anos, foi preso em uma operação que mobilizou mais de 3 policiais, conforme noticiou a emissora japonesa.

Os dois cabeças da organização teriam mandado matar Kunihiro Kajiwara, 70 anos na época, em 1998. Ele era presidente de uma cooperativa de pescadores em Kitakyushu.

Kajiwara, que era considerado uma pessoa influente na cidade, negou uma proposta feita pela organização mafiosa que pretendia se beneficiar em uma obra pública no porto. Ele foi assassinado dias depois, executado à tiros em uma rua.

Quatro anos depois do crime, a polícia prendeu quatro mafiosos integrantes do grupo e dois deles foram condenados por homicídio. Investigações posteriores indicaram que o líder da organização criminosa ordenou o assassinato por vingança.

O Kudokai é o grupo mafioso mais violento do Japão, segundo a polícia, e foi considerado de periculosidade extrema após ter feito vários ataques a cidadãos japoneses no passado.

Integrantes inferiores da máfia costumam ser presos, mas pela primeira vez a polícia conseguiu reunir indícios de que os líderes tiveram participação em um crime.

*As informações são da revista online Alternativa.jp.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*