Sociedade

Quase metade dos “sem-teto” em Tóquio já sofreram algum tipo de violência

Moradores de rua na capital japonesa são frequentemente vítimas de ataques com latas, pedras e até rojões.

Do Mundo-Nipo

Cerca de 40% dos moradores de rua em Tóquio já sofreram algum tipo de violência, de acordo a pesquisa de um grupo sem fins lucrativos, que entrevistou mais de 300 pessoas que vivem pelas ruas da capital do Japão, em locais nobres como Shinjuku, Shibuya e Ikebukuro.

 

Moradores de rua em Tóquio (Foto: Cortesia/Mickey MCCord)

Os moradores de rua na capital japonesa são frequentemente vítimas de ataques com latas, pedras e até rojões (Foto: Cortesia/Mickey MCCord)

 

Divulgada nesta sexta-feira (15) pela emissora pública ‘NHK’, a pesquisa revelou que cerca de 40% dos entrevistados disseram que foram vítimas de violência. Destes, 7% responderam que o fato acontece “muitas vezes” e 20% “às vezes”, enquanto 13% responderam que foram atacados no ano passado.

Quanto ao tipo de violência, a maioria respondeu ter sido vítima de ataques com latas e pedras e, em casos extremos, algumas pessoas teriam direcionado rojões contra eles.

Quando perguntados sobre a faixa etária dos agressores, 38% citaram “crianças ou jovens” e 22% “adultos”. Os 40% restantes responderam que “não viram” os agressores.

Um morador de rua de 60 anos disse que uma rojão foi jogado em sua “casa” de papelão durante a noite e, desde então, ele tem problemas para dormir.

A pesquisa aponta ainda que os ataques contra os moradores de rua na capital japonesa tendem a ocorrer com mais frequência durante o verão.

Um porta-voz da ONG que realizou a pesquisa alerta que os jovens têm de ser conscientizados de que a violência pode acabar matando alguém. “As escolas devem ensinar as crianças a respeitar os direitos humanos como um todo”, declarou o porta-voz, acrescentando que pesquisas semelhantes serão realizadas em outras províncias do país.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe uma resposta