Sociedade

Príncipe herdeiro e família visitarão o Santuário de Ise no final de julho

O Grande Santuário de Ise é dicado a Deusa Amaterasu e abriga os Três Tesouros Sagrados, símbolos do Império Japonês.

Do Mundo-Nipo com Agência Kyodo

O príncipe herdeiro do Japão, Naruhito, e sua esposa, a princesa Masako, juntamente com a filha única do casal, a princesa Aiko, farão uma visita de dois dias ao Santuário de Ise, em Mie, a partir do dia 28 de julho, conforme informou a Agência da Casa Imperial.

 

Santuário de Ise (Foto: Wikimedia)

Ise é um santuário xintoísta dedicado à deusa do sol Amaterasu, considerada a antepassada da Família Imperial do Japão (Foto: Wikimedia)

 

O casal e a filha vão visitar o mais importante santuário do Japão, que em outubro passado concluiu os trabalhos de reparação que é realizado a cada 20 anos. Em uma cerimônia, a divindade do santuário foi transferida para um novo prédio. O local abriga os Três Tesouros Sagrados, símbolos do Império Japonês, passados de geração a geração.

 

Sobre o Grande Santuário de Ise

Ise é um santuário xintoísta dedicado à deusa do sol Amaterasu e está situado na cidade de Ise, na província de Mie. Também conhecido por Ise Jingu, ou apenas por Jingu (“o Santuário”), o local é um dos mais importantes santuários xintoístas do Japão.

Amaterasu é considerada a antepassada da Família Imperial do Japão e é a divindade tutelar do povo japonês, o que faz do Santuário de Ise um dos mais emblemáticos do país.

Em tempos antigos, a sumo-sacerdotisa de Ise era sempre uma mulher solteira membro da Família Imperial, chamada por Saio. Esta ligação mantém-se até os dias atuais e o sumo-sacerdote continua a ser um membro da Família. O cargo é hoje ocupado por Kitashirakawa Michihisa, bisneto do Imperador Meiji.

 

Sobre os símbolos sagrados

As Joias Magatama, o Espelho Kagami e a Espada Kusanagi Tsurugi completam “Os três Tesouros Sagrados” do Japão.

Estes três objetos, de valor inestimável, são intitulados como as “Insígnias do Império”. Sua origem histórica é relatada em dois antigos livros.

O primeiro deles é o Kojiki (Registro das Coisas Antigas), sendo o registro mais antigo do Japão. Sua compilação data de 712, e composto por O-no-Yasumano, com a ajuda de “outros”, a pedido da Imperatriz Gemmei.

O segundo livro é o Nihongi ou Nihon Shoki (Crônicas do Japão), um registro que não só contém mitos e lendas do Japão, mas também uma boa parte da história japonesa. O livro foi concluído em 720 sob a supervisão do Príncipe Toneri-no-Miko (filho do Imperador Temmu), com a ajuda de O-no-Yasumaro.

Ambos os livros contam que origem dos “Três Tesouros Sagrados” envolvem dois deuses: SUSA-NO-O NO MIKOTO, que no Xintoísmo significa “Deus do Trovão ou das Tempestades”, que é conhecido como “O Varão Impetuoso” e o irmão mais novo da Deusa AMA-TERASU OHO MI KAMI, que no Xintoísmo significa “Deusa do Sol”.

De tempos em tempos, os “Três Tesouros Sagrados” são exibidos em uma Cerimônia oficial no Palácio da Família Imperial.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários