Tecnologia

Japão lança último satélite de novo sistema de geolocalização

Foguete H-2A levou ao espaço o satélite Michibiki 4 (Foto: Reprodução/JAXA)

O sistema japonês ajudará o GPS dos EUA a ser mais preciso, com margem de erro quase nula.

O Japão obteve sucesso ao lançar ao espaço o foguete H-2A transportando o Michibiki 4, último satélite que integra um sistema de quatro satélites da versão japonesa de sistema norte-americano de posicionamento global, mais conhecido pela sigla GPS (em inglês, global positioning system).

O foguete H-2A foi lançado a partir do Centro Espacial de Tanegashima, no sudoeste do Japão, por volta das 07h01 locais de terça-feira (19h01 de segunda-feira em Brasília), conforme imagens difundidas ao vivo pela Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA).

Fabricado pela Mitsubishi Electric, o satélite foi colocado em órbita pela Mitsubishi Heavy Industries, grupo parceiro da JAXA e que está à frente do inovador sistema japonês de posicionamento global.

“O satélite se separou do foguete como previsto, pouco menos de meia hora após o lançamento, seguido de um voo ao espaço sem problemas”, informou a JAXA.

O Michibiki 4 se uniu aos outros três satélites similares que formam o sistema. O primeiro foi enviado ao espaço há sete anos, enquanto o Michibiki 2 foi lançado em junho deste ano, e o Michibiki 3 em agosto passado.

Agora, com os quatro satélites conectados no espaço, cada um deles vai manter uma órbita sobre o Japão durante oito horas por dia e, desse modo, pelo menos um satélite estará sobrevoando o país ininterruptamente.

O novo sistema japonês será mais preciso que o GPS dos EUA, que tem uma margem de erro de aproximadamente dez metros. Mas quando o sistema Michibiki e o GPS estiverem funcionando em conjunto, essa margem será reduzida para apenas alguns centímetros.

Com esta rede, os utilizadores de smartphones e de assistentes de navegação em veículos vão receber informação mais precisa sobre os mapas das aplicações.

Além de servir como importante ferramenta de localização precisa, empresas japonesas planejam utilizar o sistema para maquinário de construção totalmente automatizado, operações com drones, veículos de auto-condução, entre outros.

O governo japonês planeja, além disso, utilizar estes satélites para estabelecer uma rede que garanta as comunicações quando as redes tradicionais deixarem de funcionar em casos extremos como, por exemplo, durante um desastre natural.

O Japão planeja impulsionar o número de seus satélites de posicionamento geográfico para sete até 2023, tornando seu sistema operacional independente mesmo que o GPS norte-americano se torne indisponível por alguma razão, disse uma autoridade do governo anteriormente.

Do Mundo-Nipo
Fontes: AFP News | NHK World News Japan.

Comentários