Espacial

Japão tem sucesso ao colocar em órbita novo satélite espião

O satélite é destinado à completar um dispositivo de vigilância e defesa do território japonês.

Do Mundo-Nipo com Agência Kyodo

Foguete H2A (Foto: Kyodo/JAXA)

O foguete H2A foi lançado com sucesso às 10h21 locais deste domingo (Foto: Kyodo/JAXA)

O foguete de fabricação japonesa H2A colocou em órbita neste domingo (1) um novo satélite de coleta de informações de inteligência, Information Gathering Satellite (IGS), ou seja, os chamados “satélites espiões”, para completar um dispositivo de vigilância e defesa, em vista de defender o território japonês contra ameaças, principalmente, da Coreia do Norte, bem como a expansão marítima da China na região e suas incessantes incursões em águas japonesas.

Segundo a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA), o satélite de coleta de informações foi lançado com sucesso às 10h21 locais deste domingo (23h21 de sábado em Brasília), da base de Tanegashima, localizada na ilha homônima, no sul do Japão.

O satélite é capaz de detectar objetos em terra durante a noite ou através de uma camada de nuvens, enquanto que o óptico é projetado para mostrar uma maior resolução e é supostamente capaz de distinguir objetos de até 40 centímetros em terra, de uma altitude de centenas de quilômetros.

Além de servir como satélite de inteligência, ele também pode recolher dados sobre os danos provocados pelas catástrofes naturais, como terremotos, tsunamis e tufões.

O sistema de satélites espiões foi projetado no fim dos anos 1990 e o Japão começou a pôr esses satélites em órbita desde 2003, cinco anos depois que a Coreia do Norte realizou seus primeiros lançamentos de mísseis.

Já o H2A é o principal modelo de foguete de lançamento do Japão, construído em sua totalidade com tecnologia nacional, e já fez mais de 20 lançamentos desde sua estreia em 2001.

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários