Variedades

Japão registra queda recorde em vendas de livros e revistas

A internet e jogos em smartphones têm desviado os japoneses de um de seus principais costumes tradicionais, ou seja, a literatura.

As vendas de livros e revistas no Japão devem cair para uma baixa recorde ao final deste ano, informou o Instituto de Pesquisa de Publicações do país em um relatório preliminar divulgado nesta semana.

O Instituto afirma que as vendas de janeiro a novembro registraram queda recorde de cerca de 5,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, devendo totalizar 1,520 trilhão de ienes, cerca de 12,6 bilhões de dólares, de livros e revistas vendidos entre janeiro e dezembro de 2015.

O número representa uma retração de 84 bilhões de ienes, cerca de 700 milhões de dólares, em relação ao ano passado e marca o 11º ano consecutivo de queda nas vendas deste setor.

As vendas de livros caíram 1,9%. O declínio modesto é, em parte, devido à venda de mais de 2 milhões de cópias de um best-seller escrito pelo comediante Naoki Matayoshi. Seu livro ganhou o Prêmio Akutagawa 2015, um dos mais importantes prêmios de literatura concedido no Japão.

Enquanto isso, as vendas de revistas sofreram queda recorde de 8,2%, principalmente porque o setor tem sofrido forte retração nas vendas de revistas semanais. “As pessoas estão deixando de ler livros e revistas para passar mais tempo com jogos em smartphones”, destaca o Instituto em seu relatório, acrescentando que a internet, principalmente as redes sociais, também vem desviando os japoneses de um de seus principais costumes tradicionais, ou seja, a literatura.

Mediante a isso, o órgão planeja realizar um “shake up” nas estruturas de distribuição e de vendas como forma de reavivar a indústria editorial do Japão que, mesmo registrando quedas recordes, continua listada entre as cinco maiores do planeta.

Fonte: NHK News Japan.

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários