Cultura

Veja os 21 filmes mais marcantes da animação japonesa; vídeos

Filme "O Túmulo dos Vaga-lumes"

A lista inclui clássicos como “A Viagem de Chihiro” e “Meu Amigo Totoro”, além de algumas produções mais recentes.

Publicado em 16/06/2015 – Atualizado em 28/05/2018


O portal especializado “Adoro Cinema” selecionou em 2015 uma lista com os 10 filmes que considerou mais marcantes da indústria do cinema de animação do Japão. O “Mundo-Nipo”, no entanto, resolveu ampliar esta lista e incluindo mais onze produções japonesas animadas, levando em conta o sucesso obtido por cada uma delas tanto no Japão como no ocidente.

A ordem da lista não significa um ranking e sim uma seleção em homenagem ao cinema japonês de animação, confira abaixo:

1 A Viagem de Chihiro (2001)
É difícil fazer uma matéria sobre as melhores animações (do mundo inteiro) sem incluir os estúdios Ghibli, e “A Viagem de Chihiro”, em particular, não poderia deixar de encabeçar a lista, isso porque o diretor Hayao Miyazaki fez um de seus melhores trabalhos com este filme, que conta a história de uma garotinha perdida em uma cidade mágica, repleta de fantasmas e feiticeiras.

A saga de amadurecimento teve uma trajetória incrível no mundo inteiro, vencendo o Oscar de melhor animação, o Urso de Ouro no festival de Berlim e levando 320 mil brasileiros aos cinemas – resultado excepcional para uma produção japonesa.

2 Meu Amigo Totoro ou Meu vizinho Totoro (1988)
OK, a gente promete não fazer desta matéria um “top 20 Hayao Miyazaki”, mas vamos colocar só mais um filme desse gênio, já que praticamente todas as obras do mestre japonês são espetaculares. Não é toa que ele ganhou o Oscar honorário da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood em 2014.

Totoro data do fim dos anos 1980, mas já traz todas as marcas consagradas dos estúdios Ghibli, como o tema da descoberta da vida adulta e o mundo mágico representando a fuga dos problemas reais. Nesta história, as irmãs Satsuki e Mei devem lidar com a doença da mãe, e contam com a ajuda do gigantesco e fofo ser mágico Totoro. Ele serve como guia em uma jornada pela floresta.

3 O Túmulo dos Vaga-Lumes (1988)
Falando em Isao Takahata, o diretor é responsável por este comovente filme de guerra sobre dois irmãos pequenos, cujo pai parte para o combate na Segunda Guerra Mundial. Quando eles perdem a mãe, passam a morar em um lar adotivo. Mas a dupla não gosta da situação, e os dois fogem rumo à floresta, onde devem sobreviver sozinhos. Morrendo de fome, divertem-se com a luz dos vaga-lumes…

“O Túmulo dos Vaga-Lumes” (‘Hotaru no haka”, título original em japonês) é frequentemente considerado uma das histórias mais tristes do cinema – assim como o melancólico, mas lindo e cativante, “O Conto da Princesa Kaguya”, aliás – e se tornou um clássico tão grande no Japão que já ganhou duas versões live action, estreladas por atores reais.

4 Ghost in the Shell (1995)
Abandonando as produções tristes sobre crianças órfãs, também vale citar esta grande história de ação e fantasia. No ano 2029, a ciborgue Motoko é encarregada de encontrar um dos maiores hackers e criminosos do país.

As imagens exploram bastante a sensualidade da protagonista, e os distribuidores tentaram lançar “Ghost in the Shell” (“O Fantasma do Futuro”, título em português) também nos Estados Unidos e no Reino Unido, imaginando que tornariam a animação japonesa mais popular no Ocidente. O resultado não deu certo, mas “Ghost in the Shell” vai ter outra oportunidade em solo americano: a trama terá uma versão com atores, estrelada por Scarlett Johansson, e prevista para 2017.

5 Steamboy (2004)
Do mesmo criador de Akira, “Steamboy” mostra um jovem garoto com talento para invenções, vivendo no Reino Unido do século XIX. Um dia, ele recebe um estranho objeto metálico de seu avô, e descobre que o presente possui poderes extraordinários. Rei deve impedir que uma empresa corrupta utilize estes poderes para o mal.

O filme ficou conhecido como a animação mais cara da história do cinema japonês, tendo demorado 8 anos para ser concluída. O resultado gerou controvérsias – principalmente por causa das comparações com Akira – mas ainda tem a sua legião de fãs, e chama a atenção pelas cenas de ação impressionantes.

6 O Reino dos Gatos (2002)
Os estúdios Ghibli adoram gatos, e o diretor Hiroyuki Morita também. Nesta fantasia um tanto enlouquecida, com título original “Neko no Ongaeshi”, a garotinha é convidada a conhecer uma terra onde apenas vivem gatos. Ela é mantida prisioneira, e tenta se livrar do casamento forçado com o príncipe – que também é um gato, claro.

Este é o típico caso de um filme que superou as expectativas: ele nasceu sob encomenda, quando o diretor aceitou fazer um curta-metragem estrelado por gatos, que deveria ser lançado direto em home vídeo. Mas os desenhos agradaram tanto que “O Reino dos Gatos” foi lançado nos cinemas como longa-metragem.

7 Akira (1988)
Um clássico absoluto! Esta complexa trama política de ficção científica mostra os motoqueiros Kaneda e Tetsuo, que vivem na cidade Neo Tóquio, após a cidade Tóquio original ser destruída em uma explosão. Quando Tetsuo é sequestrado por líderes de exército, passa a desenvolver poderes especiais. Com a ajuda de Kaneda, ele descobre alguns segredos escondidos desde a explosão.

“Akira” conquistou um grande sucesso no Japão, funcionando até hoje como símbolo do “cyberpunk”, e das histórias sobre adolescentes revolucionários e rebeldes vivendo em grandes metrópoles.

8 Millennium Actress (2003)
Esta é uma bela história de amor sobre Chiyoko, uma mulher idosa que se aposentou há décadas da carreira de atriz. Na verdade, a única razão para ela se consagrar às artes foi a oportunidade de reencontrar um desconhecido por quem se apaixonou, mas que nunca mais reviu na vida. Quando é entrevistada por um documentarista, ela conta a sua história, desde a juventude.

Do diretor Satoshi Kon, o mesmo de “Perfect Blue” – que está incluído nesta lista-, “Millennium Actress” recebeu diversos prêmios nos maiores festivais dedicados à animação, como o ‘Fantasia’ e o ‘Tokyo Anime Awards’. Mesmo assim, a produção não conseguiu uma boa bilheteria fora de seu país.

9 Cowboy Bebop – O Filme (2001)
Após o sucesso da série de mesmo nome, “Cowboy Bebop” chegou aos cinemas trazendo a história do Esquadrão Bebop, um grupo formado por caçadores de recompensas. Quando um atentado terrorista assombra a cidade, eles partem em busca da pessoa responsável.

A animação traz um retrato detalhado do uso de armas e da guerra ao terrorismo – o que levou à proibição do filme em países como Irã e Iraque. Feito logo após o término da série de TV, Cowboy Bebop conseguiu cativar os fãs do programa.

10 Perfect Blue (1997)
Esta é uma das animações japonesas mais complexas na descrição psicológica de sua protagonista. Mima Kirigoe é a vocalista de uma banda famosa, até decidir desistir da carreira e se tornar atriz. Entre os fãs decepcionados, encontra-se um psicopata que não quer deixar o seu ídolo em paz tão cedo. Atormentada por essa presença, e pelos novos papéis que encontra (incluindo a encenação de uma cena de estupro), Mima começa a enlouquecer.

Mais um clássico da carreira estelar do diretor Satoshi Kon, “Perfect Blue” foi recebido com surpresa pelos críticos, por seu tema sombrio. O lançamento ocorreu em duas versões: uma proibida para menores de idade, e outra ocultando as cenas mais violentas.

11 Dragon Ball Z: A Batalha dos Deuses (2013)
O caso Dragon Ball Z é controverso: a saga tem milhões de fãs pelo mundo, mas nem sempre os filmes agradaram tanto quanto o mangá e a série de televisão. Mesmo assim, uma produção que teve maior aceitação entre os fãs foi “A Batalha dos Deuses”, com a aguardada disputa entre Goku e Bills.

Aprovados ou não, os filmes comprovam a enorme influência da série, que deu origem a jogos de tabuleiro, videogames, livros de ilustrações, programas especiais na televisão e mesmo um filme estrelado por atores – particularmente detonado por críticos e fãs.

12 Paprika (2005)
Lá vamos nós falando de Satoshi Kon novamente! Mas diz se não vale a pena? “Paprika” é uma bela viagem pelos sonhos, misturando as imagens do insciente com as regras do gênero policial – algo como um parente animado de “A Origem”.

Nesta trama, uma máquina pode controlar e gravar os sonhos. A intenção é ajudar o trabalho dos terapeutas, até o aparelho ser roubado. A detetive Paprika deve impedir que os terroristas entrem de vez na mente das pessoas, criando o caos. As imagens são impressionantes, comprovando toda a criatividade da equipe japonesa.

13 One Piece – Strong World (2009)
Assim como Dragon Ball Z, One Piece é mais uma adaptação de uma famosa série de anime que, por sua vez, é uma adaptação de um dos mangás mais populares em todo os mundo. Neste caso, Strong World corresponde à décima adaptação da trama aos cinemas, e uma das mais bem-sucedidas – sendo a primeira com supervisão total do criador Eiichiro Oda. O resultado foi um sucesso gigantesco durante a estreia, conquistando a maior média de espectadores por sala da história da animação japonesa.

A trama apresenta mais uma batalha da Luffy e seus amigos, forçados a enfrentar o Leão Dourado, que retornou após anos desaparecido.

14 Metrópolis (2001)
Dirigido pelo controverso Rintaro, “Metrópolis” mostra a cidade futurista onde as classes sociais estão muito bem divididas: os ricos moram em um rico edifício, enquanto os pobres ficam em vilas subterrâneas. Neste contexto, o jovem Kenichi descobre a existência da bela robô Tima, criada para tomar conta da cidade. Mas talvez ela tenha mais sentimentos humanos do que muitos moradores locais…

“Metrópolis” foi uma bela versão do clássico do cinema mudo, proporcionando uma história de amor inesquecível, com direito a uma das cenas de apocalipse mais marcantes do cinema (ao som de “I Can’t Stop Loving You”, de Ray Charles!).

15 Neon Genesis Evangelion (1997)
A série “Neon Genesis Evangelion” foi tão popular que os episódios foram condensados e transformados em um filme, e depois ganharam mais uma versão cinematográfica, com a conclusão alternativa da trama. Este é mais um sucesso de público e de marketing, tendo dado origem a videogames, bonecos, brinquedos em parques de atração e até paródias no rádio.

A trama gira em torno de uma guerra futurista, quando um grupo paramilitar deve combater os rebeldes Angels. A arma utilizada é uma espécie de humanoide controlado por adolescentes. A sinopse pode parecer confusa, mas com tanto tempo de série, as coisas realmente complicam.

16 Cinco Centímetros por Segundo (2007)
Este filme de Makoto Shinkai tem um formato bastante particular, por ter sido dividido em três partes, somando juntas cerca de uma hora de duração. A primeira parte foi inclusive exibida na Internet, antes de o filme completo chegar aos cinemas.

O projeto mostra, em três partes (“Cherry Blossom”, “Cosmonauta” e “Cinco Centímetros por Segundo”) a história dos amigos Akari e Takaki, que sempre foram inseparáveis, até Akari ter que se mudar a uma nova cidade, para acompanhar os pais. Os dois convivem com a saudade, até Akari fazer uma última visita. Com suas críticas ao mundo da tecnologia, Cinco Centímetros por Segundo foi muito bem recebido pela crítica especializada na época de seu lançamento no Japão. Pela imagem acima, já dá para perceber a beleza do desenho do diretor.

17 Tokyo Godfathers (2003)
Poucas animações fazem um retrato social tão forte quanto este filme. Em “Tokyo Godfathers”, os protagonistas são três mendigos: um homem de meia-idade, uma travesti e uma jovem garota. Eles vivem juntos, entre o lixo, até descobrirem um bebê abandonado durante o Natal. A travesti, que sempre sonhou em ser mãe, cuida da criança, mas todos decidem procurar pelos pais biológicos.

Por este conto de Natal sobre os valores da família, Satoshi Kon levou os prêmios de melhor filme, melhor diretor e melhor diretor de arte no ‘Tokyo Anime Awards’.

18 A Garota que Conquistou o Tempo (2006)
Os animes estão repletos de histórias futuristas, mas esta surpreende pela simplicidade ao experimentar o realismo fantástico. A história se passa nos dias de hoje, quando uma adolescente descobre o poder de viajar no tempo – algo que sua tia anuncia sem muito alarde: “Isto não é tão incomum assim…”.

Logicamente, ela usa as viagens para conseguir algumas vantagens (tirar boas notas na escola, por exemplo), até descobrir que deve lidar com as consequências desses atos. A principal reviravolta no percurso da personagem, quando ela admite estar apaixonada por seu colega de escola. “A Garota que Conquistou o Tempo” (“Toki Wo Kakeru Shoujo”, título original) é leve, romântico e tem uma boa trilha sonora.

19 Panda and the Magic Serpent (1958)
Como nem toda animação japonesa começou depois dos anos 1980, vale a pena destacar o primeiro filme japonês do gênero que ganhou distribuição no Ocidente, e que foi considerado uma revolução tecnológica em sua época. Apesar de sua importância histórica, “Panda and the Magic Serpent” fracassou nos Estados Unidos, mostrando mais uma vez que os animes pré-Ghibli não eram muito famosos deste lado do Atlântico.

A fábula mostra uma história bastante infantil, sobre um garoto forçado por seus pais a abandonar a sua cobra de estimação. Mas a cobra se transforma em uma bela princesa, que sonha em se casar com o garoto. Ele conta com a ajuda de seus ursos panda de estimação para permitir a união.

20 O Conto da Princesa Kaguya (2013)
“O Conto da Princesa Kaguya” (“Kaguya-hime no Monogatari’, título original em japonês) é uma produção do Studio Ghibli, que foi fundado por  quatro consagrados monstros da animação (Hayao Miyazaki, Isao Takahata, Yasuyoshi Tokuma, Toshio Suzuki).

O longa de animação é baseado na lenda japonesa “O corte do Bambu”, no qual um homem idoso encontra um minúsculo bebê dentro de um tronco brilhante. A pequenina logo cresce e se torna uma jovem tão bela que é disputada por cinco nobres.

Para tentar evitar um matrimônio no qual não tem interesse, a moça pede para que os pretendentes cumpram tarefas impossíveis. O filme é de uma delicadeza emocionante, consegue arrancar lágrimas de qualquer expectador – vale a pena assistir!

O filme conquistou vários prêmios, além de ter concorrido ao Oscar de 2015 como o melhor filme de animação.

21  Kimi no Na Wa (2016)
Kimi no Na Wa (“Your Name”, título em inglês), é considerado um fenômeno da animação japonesa.
Produzido pelo estúdio CoMix Wave Films e lançado em 2016, o longa se tornou o filme de animação de maior arrecadação nas bilheterias mundiais. O fenômeno também é dono da segunda maior bilheteria da história do cinema no Japão.

Apesar de figurar apenas na pré-lista dos indicados ao Oscar de 2017, o que indignou alguns críticos internacionais, “Your Name” foi eleito o Melhor Filme de Animação em 2016 pela Associação dos Críticos de Cinema de Los Angeles, dos EUA.

A produção é considerada pelos críticos locais e internacionais o melhor “filme anime” dos últimos tempos, rivalizando apenas com a “A Viagem de Chihiro”, do Studio Ghibli, o sétimo longa-metragem dirigido pelo gênio Hayao Miyazaki e que ganhou o Oscar de Melhor Filme de Animação em 2003.

O filme é uma adaptação do romance homônimo, que foi dirigido por Makoto Shinkai (“O Jardim das Palavras”), O longa foi ilustrado/desenhado por Masayoshi Tanaka e distribuído pelo Studio  pela Toho.

“Kimi no Na Wa” conta a história de dois jovens que não se conhecem, mas são conectados através de sonhos. Mitsuha Miyamizu (Mone Kamishiraishi) é uma jovem que mora no interior do Japão e deseja deixar sua pequena cidade para trás e tentar a sorte em Tóquio. Enquanto isso, Taki Tachibana (Ryûnosuke Kamiki), um jovem que trabalha em um restaurante italiano em Tóquio, deseja largar o seu emprego para tentar se tornar um arquiteto.

Os dois não se conhecem, mas estão direta e misteriosamente conectados pelas imagens de seus sonhos e descobrem que podem trocar de corpos. Eles ficam desesperados para cruzar o espaço e o tempo e achar uma maneira de se encontrarem e impedir um desastre iminente.

Confira o trailer do filme com legenda em português e versão original em japonês:

Comentários