Cultura

Filme do Japão está entre os favoritos na disputa pela Palma de Ouro em Cannes

Filmes dos EUA e do Japão são os grandes favoritos na disputa pela Palma de Ouro.

Do Mundo-Nipo

A edição de número 66 do Festival de Cannes, a mais charmosa competição de cinema do mundo chega ao fim no próximo domingo (26).

Filmes dos EUA e do Japão são os grandes favoritos na disputa pela Palma de Ouro, de acordo com o crítico de cinema do jornal ‘O Globo’, Rodrigo Fonseca, que fez as suas apostas.

 

Yokazu Kore-Eda (Imagem: Arte Journal / Reprodução e edição do MN)

O filme japonês “Like Father, like Son”, de Yokazu Kore-Eda está sendo apontado como um dos favoritos para vencer em Cannes (Imagem: Arte Journal / Reprodução e edição do MN)

 

O festival de Cannes vai chegar ao final no domingo, dia em que vai ser entregue a tão esperada Palma de Ouro. O prêmio está sendo mais aguardado do que nunca, porque neste ano não teve nenhum filme que se pudesse olhar e dizer “esse filme é uma obra prima”. O mais próximo disso é o longa-metragem norte-americano que, curiosamente, para o padrão de um grande festival como Cannes, é uma comédia.

Nebraska, que é um filme de maturidade completa e tem grande chances de vencer, não só pela qualidade, mas porque é a primeira “quase perfeita” crônica da nova depressão americana.

O maior rival de Nebraska é um filme japonês intitulado “Like Father, like Son”, de Yokazu Kore-Eda, um filme forte, mas que conta com leveza o drama sobre a troca de bebês em uma maternidade, que põe em questão a natureza versus criação.

O filme de Kore-eda tem nos papéis principais o cantor e ator Masaharu Fukuyama como o alcoólatra Ryota que, com sua meiga esposa, Midori, interpretada por Machiko Ono, educa o filho Keita, de 6 anos, para que conquiste o sucesso.

Sua vida familiar, vista exteriormente como perfeita, é rompida um dia depois de o hospital onde Keita nasceu informar que cometeu um erro, pois o menino não é seu filho biológico.

O drama de Kore-eda encontra momentos de humor e humanidade, que contrastou com os primeiros dias de exibição dos filmes concorrentes, marcados por obras com temática de violência.

O Japão já venceu por quatro vezes em Cannes, a mais recente em 1997, com “A enguia” (“Unagi”), de Shohei Imamura.

De acordo com o The Hollywood Reporter, outro drama que poderia rivalizar com o filme de Kore-eda é o fortíssimo “Le passé” (O passado), do diretor iraniano Asghar Farhadi, que também recebeu criticas elogiosas depois de sua exibição na última sexta-feira.

Correndo por fora, mas com significativas chances, está o filme “La Vie d’Adèle”, de Abdellatif Kechiche, apontado pelo jornal The Guardian como o filme com a cena de sexo lésbico mais longa e gráfica da história do cinema.

Outro que não pode ser esquecido, também com temática LGBT, é “Behind de Candelabra”, de Steven Soderbergh, sobre o romance entre o pianista Liberace, interpretado por Michael Douglas, e seu boytoy, Scott Thorson, que foi excelentemente interpretado por Matt Damon. O filme é repleto de beijos apaixonados entre os dois.

Contudo, a grande dificuldade na seleção do júri, presidido por Steven Spilberg, que conta com grandes nomes do cinema como Nicole Kidman, Lynne Ramsay, Ang Lee, além da diretora japonesa Naomi Kawase, é decidir os vencedores nas categorias de diretor.

Na categoria tem três nomes fortíssimos: James Gray, que produziu “A Imigrante”; Polanski, com “Venus na pele”; Jim Jarmusch, com “Only lovers left alive” e Alexander Payne, por “Nebraska”. Além de Yokazu Kore-Eda com “Like Father, like Son”.

 

Para saber mais sobre Cultura, clique em mundo-nipo.com/variedades/cultura. Siga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*