Curiosidades

Atum é vendido por 7,4 milhões de ienes no 1º leilão do ano do mercado Tsukiji

O atum de 230 kg foi arrematado neste domingo, durante o tradicional primeiro leilão do ano no maior mercado de pescados do mundo.

Do Mundo-Nipo

Durante o tradicional primeiro leilão do ano no Tsukiji – maior mercado de pescados do mundo -, em Tóquio, foi vendido, neste domingo (5), um atum bluefin de 230 kg por 7,36 milhões de ienes, o equivalente a US$ 71 mil.

 

Kiyoshi Kimura posa com o atum bluefin de 230 kg arrematado no tradicional primeiro leilão do ano no mercado de Tsukiji (Foto: JIJI)

Kiyoshi Kimura posa com o atum bluefin de 230 kg arrematado no tradicional primeiro leilão do ano no mercado de Tsukiji (Foto: JIJI)

 

Embora pareça alto, o valor é significativamente inferior ao recorde de 155,4 milhões de ienes, o equivalente a R$ 3,5 milhões, por um atum de 222 kg alcançado justamente na edição anterior, no primeiro leilão do ano de 2013.

Kiyoshi Kimura, presidente da cadeia de restaurantes de sushi Kiyomura, foi quem arrematou o atum. Ele também é o vencedor da disputa dos dois últimos leilões de Ano Novo – em 2012 e 2013.

 

Kiyoshi Kimura posa com o atum bluefin de 230 kg arrematado no tradicional primeiro leilão do ano no mercado de Tsukiji (Foto: Kyodo)

Segundo o Tsukiji, o atum foi pescado nas águas de Oma, o que manteve a sua procedência (Fotos: Kyodo)

 

Pescado nas águas de Oma, na província de Aomori, o atum manteve a mesma procedência das adições anteriores. Entretanto, ambientalistas dizem que o atum dessa espécie encontra-se em sério declínio. Os japoneses consomem cerca de 80% de todo o bluefin capturado no mundo inteiro.

Neste leilão, foi colocada a venda 1.729 unidades de atum contra 2.419 unidades no primeiro leilão do ano passado, o que reflete um declínio de quase 30%, de acordo com os dados disponibilizados pelo mercado.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*