Curiosidades

Amazon ‘contrata’ cabras para aparar grama de uma filial no Japão

Com a finalidade de evitar agredir o meio ambiente, a Amazon contratou um rebanho de cabras para aparar a grama do jardim de uma de suas filiais no Japão.

Do Mundo-Nipo

Com a finalidade de substituir máquinas por animais e, assim, evitar agredir o meio ambiente, a Amazon decidiu “contratar” cabras para aparar a grama do jardim de uma de suas filiais no Japão, de acordo o jornal japonês Doshin Web.

 

Amazon contrata cabras (Foto: Twitter Doshin Web / Reprodução)

O rebanho de cabras recém-contratadas será responsável ​​por aparara grama do vasto jardim de uma das filiais da Amazon no Japão (Foto: Twitter Doshin Web / Reprodução)

 

A mais recente contratação da gigante de comércio eletrônico é um rebanho de animais que são excelentes máquinas “naturais” de cortar grama. O rebanho de cabras recém-contratadas será responsável ​​por aparar, uma vez por semana, a grama indisciplinada do vasto jardim que cerca uma das filiais da Amazon no Japão.

 

Amazon contrata cabras (Foto: Twitter Doshin Web / Reprodução)

Pela foto, percebe-se que a empresa coloca até crachás de identificação nas cabras, como esta, que se chama Mikiyagi (Foto: Twitter Doshin Web / Reprodução)

 

Desde os tempos antigos, as cabras têm sido empregadas no combate a ervas daninhas. Ultimamente elas veem sendo muito utilizadas por governos municipais para aparar gramado em jardins de praças públicas e em margens de rodovias.

A Amazon não é a primeira grande empresa a utilizar cabras como método ecológico e menos barulhento de aparar grama. Em 2009, o Google contratou o serviço de 200 cabras para cortar a grama e fertilizar o solo em sua sede na Califórnia, de acordo com o portal CBC News.

 

Para saber mais sobre Variedades, clique em mundo-nipo.com/variedades. Siga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários