Ciência e Saúde

Síndrome do pânico: quando o medo domina

©Shutterstock

Ataque de pânico é um episódio repentino de medo intenso desencadeado sem perigo real ou causa aparente.

  • 232
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    232
    Shares

Apesar da alta prevalência de problemas e transtornos de saúde mental que se desenvolvem na adolescência e no início da idade adulta, as pessoas afetadas pelo problema tendem a não procurar ajuda profissional, o que é um erro, principalmente em tempos de pandemia, quando o distanciamento social se faz necessário, mas a distância dos amigos e entes queridos são grandes responsáveis pelo desenvolvimento de sentimentos confusos, principalmente o pânico e medo constante.

O ataque de pânico é um episódio repentino de medo intenso que desencadeia reações físicas graves quando não há perigo real ou causa aparente. Esses ataques podem ser muito assustadores e, quando ocorrem, a pessoa pode pensar que está perdendo o controle, tendo um ataque cardíaco ou até mesmo morrendo.

Muitas pessoas têm apenas um ou dois ataques de pânico durante a vida, e o problema desaparece, talvez quando uma situação estressante termina. Mas se você teve ataques de pânico recorrentes e inesperados e passou longos períodos com medo constante de outro ataque, você pode ter uma condição chamada Síndrome do Pânico.

Embora os ataques de pânico em si não sejam uma ameaça à vida, eles podem ser assustadores e afetar significativamente sua qualidade de vida. Mas um tratamento pode ser muito eficaz.

Sintomas

Os ataques de pânico geralmente começam de repente, sem aviso prévio. Eles podem ocorrer a qualquer momento: quando você está dirigindo um carro, no shopping, dormindo profundamente ou no meio de uma reunião de negócios. Você pode ter ataques de pânico ocasionais ou eles podem ocorrer com frequência.

Os ataques de pânico têm muitas variações, mas os sintomas geralmente aumentam em minutos. Você pode se sentir cansado e esgotado depois que um ataque de pânico diminui.

Sinais e sintomas
  • Sensação de perigo iminente;
  • Medo de perda de controle;
  • Medo de morrer;
  • Frequência cardíaca rápida e acelerada;
  • Suor excessivo;
  • Tremedeira e/ou sacudidas involuntárias de alguma parte do corpo;
  • Falta de ar e/ou aperto na garganta;
  • Arrepios;
  • Ondas de calor;
  • Náusea;
  • Cólica abdominal;
  • Dor no peito;
  • Dor de cabeça;
  • Tonturas, vertigens ou desmaios;
  • Sensação de dormência e/ou formigamento;
  • Sensação de irrealidade ou desapego.

Um dos piores sentimentos de quem sofre de síndrome do pânico é o medo intenso de que os ataques ocorram com frequência.

Quando ver um médico

Se você tiver sintomas de pânico, procure ajuda médica o mais rápido possível. Os ataques de pânico, embora extremamente desconfortáveis, não são perigosos, mas são difíceis de controlar por conta própria e podem piorar sem tratamento.

Os sintomas do ataque de pânico também podem ser semelhantes aos de outros problemas graves de saúde, como um ataque cardíaco, portanto, é importante ser avaliado pelo seu médico se você não tiver certeza do que está causando os sintomas.

Causas

Não se sabe ao certo o que causa ataques de pânico ou transtorno de pânico, mas há alguns fatores que podem estar ligados a esta síndrome.

Possíveis fatores

  • Genética;
  • Grande estresse;
  • Temperamento mais sensível ao estresse ou sujeito a emoções negativas;
  • Certas mudanças na maneira como partes do cérebro funcionam.

Os ataques de pânico podem surgir repentinamente e sem aviso no início, mas com o tempo, geralmente são desencadeados por certas situações.

Algumas pesquisas sugerem que a resposta natural de luta ou fuga do corpo ao perigo está envolvida em ataques de pânico. Por exemplo, imagine um grande animal selvagem correndo atrás de você, o corpo reagiria instintivamente ao medo. A frequência cardíaca e a respiração aumentariam à medida que o corpo se preparasse para uma situação de risco de vida. Muitas das mesmas reações ocorrem em um ataque de pânico. Mas não se sabe por que um ataque de pânico ocorre quando não há perigo óbvio presente.

Fatores de risco

Estudos realizados pelo Departamento de Psicologia da Universidade da Califórnia em Los Angeles, e publicados pela Faculdade de Cambridge, revelaram que os sintomas do transtorno do pânico geralmente começam no final da adolescência ou no início da idade adulta e afetam mais mulheres do que homens.

Fatores que podem aumentar o risco de desenvolver a síndrome do pânico
  • História familiar de ataques de pânico ou transtorno do pânico;
  • Estresse importante da vida, como a morte ou doença grave de um ente querido;
  • Um evento traumático, como agressão sexual ou um acidente grave;
  • Mudanças importantes em sua vida, como divórcio ou adição de um bebê;
  • Fumar ou ingestão excessiva de cafeína;
  • História de abuso físico ou sexual na infância.
Complicações

Se não forem tratados, os ataques de pânico e o transtorno do pânico podem afetar quase todas as áreas de vida da pessoa. O receio de ser acometido por esses faz com que a pessoa viva em um estado constante de medo.

Algumas complicações que os ataques de pânico podem causar ou estão relacionadas:

  • Desenvolvimento de fobias específicas, como medo de dirigir ou sair de casa;
  • Necessidade de assistência médica frequente para questões de saúde e outras condições médicas por achar que está sofrendo de alguma doença, mas sem estar
  • Evitar situações sociais;
  • Problemas no trabalho ou no colégio, curso e faculdade;
  • Depressão, transtornos de ansiedade e outros transtornos psiquiátricos;
  • Aumento do risco de suicídio ou pensamentos suicidas;
  • Uso indevido de álcool, tabaco, remédios e/ou substância tóxicas;
  • Problemas financeiros.

Para algumas pessoas, o transtorno do pânico pode incluir agorafobia e aerofobia. Isso faz com que a pessoa fique altamente anti social, uma vez que evitará lugares ou situações que lhe causam ansiedade porque tem medo de não conseguir escapar ou obter ajuda se tiver um ataque.

Prevenção

Não há uma maneira segura de prevenir ataques de pânico. No entanto,  as recomendações abaixo podem ajudar.

  • Obtenha tratamento para ataques de pânico o mais rápido possível, isso ajudará a impedir que eles piorem ou se tornem mais frequentes;
  • Mantenha seu tratamento para ajudar a prevenir recaídas ou agravamento dos sintomas do ataque de pânico;
  • Pratique atividade física regularmente, o que pode desempenhar um papel na proteção contra a ansiedade;
Percepção

Segundo a psicologia de convergência, “a vida é como você a percebe, e a percepção descreve exatamente isso. Percepção é a criação de experiência por meio de nossos sentidos. É como entendemos o mundo ao nosso redor”, portanto, ser acometido por algum problema de saúde mental pode estar relacionado com a forma como nossos sentidos lidam com determinadas situações em nossas vidas, exceto se o problema tenha fundo genético, mas o que pode ser amplamente tratável.

Encontrar ajuda

O melhor a fazer é procurar ajuda de especialistas em saúde mental. Uma ótima alternativa é a terapia online, na qual conversar com um psicólogo é praticamente instantânea, a ajuda ocorre na mesma hora por meio de plataformas online como a BetterHelp.

Estudos clínicos demonstraram repetidamente que a terapia online funciona tão bem quanto a terapia pessoal, principalmente por questões de mobilidade, praticidade e celeridade.

Você pode acessar informações ou tratamento com especialistas a partir de qualquer lugar, basta ter uma uma conexão com a internet. Terapeutas estão disponíveis a qualquer hora para falar com você quando quiser.

  • 232
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    232
    Shares