Economia Notícias

Japão e EUA fecham acordo para eliminar tarifas sobre aço

Importacao de aco Foto Reuters 900x600 1
©Reuters

EUA suspenderão a tarifa de 25% sobre as importações de aço do Japão. Tais taxas foram impostas pelo governo do ex-presidente Trump.

Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira que concordaram com o Japão em conceder alívio das tarifas de aço impostas durante o governo do ex-presidente Donald Trump, uma medida saudada por Tóquio como “um passo” para resolver o irritante acordo comercial de anos, informou hoje (8) a Kyodo News.

O acordo, que entrará em vigor em 1º de abril, ocorre no momento em que o governo norte-americano do presidente Joe Biden está trabalhando para reconstruir alianças minadas pela política externa e comercial unilateral de Trump, e busca abordar coletivamente o que eles consideram “práticas comerciais desleais de países como a China”.

Segundo a representante de Comércio Americano, Katherine Kai, o acordo, combinado com a resolução semelhante no ano passado para a União Europeia, “nos ajudará a trabalhar em conjunto com o Japão para combater as ações anticompetitivas e não comerciais da China no setor siderúrgico, enquanto nos ajuda a alcançar a ambiciosa agenda climática global do presidente Biden”.

Sob o acordo, até 1,25 milhão de toneladas métricas anuais de aço – a quantidade média de aço japonês importado para os Estados Unidos em 2018 e 2019 – poderão entrar no país sem enfrentar a tarifa extra de 25%.

Entretanto, a tarifa de alumínio adicional de 10%, que o governo Trump introduziu junto com a tarifa de aço em 2018, permanecerá em vigor.

Como parte do acordo, o Japão se comprometeu a “ações concretas” para combater o excesso de capacidade global na produção de aço, impulsionado em grande parte pela maior produtora de aço do mundo, a China, segundo funcionários do governo Biden. Pequim tem sido criticada por subsidiar fortemente sua indústria.

O último acordo “nos ajudará a reconstruir relacionamentos com nossos aliados em todo o mundo enquanto trabalhamos para lutar contra as práticas comerciais desleais da China e criar uma economia global mais competitiva para as famílias, empresas e trabalhadores dos EUA”, disse a secretária de Comércio dos EUA, Gina Raimondo, em comunicado.

O ministro japonês da Economia, Comércio e Indústria, Koichi Hagiuda, saudou o progresso, mas acrescentou que seu país continuará buscando uma “solução completa” para a questão das tarifas de aço e alumínio.

As importações de aço que serão elegíveis para tratamento isento de impostos sob a cota tarifária devem ser produzidas “inteiramente no Japão”, segundo funcionários do governo Biden. Os chamados requisitos “derretidos e vazados” são vistos como uma medida para evitar que o aço chinês se esquive das tarifas dos EUA ao ser exportado através do Japão.

As exportações de aço do Japão para os Estados Unidos caíram para 720.000 toneladas em 2020, de 1,73 milhão de toneladas em 2017, segundo dados japoneses.

Impasse nas tarifas de alumínio

Os representantes do governo Biden explicaram que a questão do alumínio não foi coberta pelo acordo a pedido do Japão, indicando que Tóquio não estava pronta para assumir um compromisso que Washington queria receber acesso livre de impostos para as importações.

“Se o Japão decidir que gostaria de assumir compromissos sobre o alumínio, inclusive garantindo que qualquer alumínio primário que eles usem não venha de fontes não comerciais para receber acesso isento de impostos (…) estamos abertos a discutir essa questão com eles no futuro”, disse um dos funcionários.

No entanto, o ministro das Relações Exteriores do Japão, Yoshimasa Hayashi, estava em desacordo com os representantes do governo dos EUA sobre a questão do alumínio.

Hayashi sugeriu que as duas nações “continuam em desacordo” sobre as tarifas de alumínio, dizendo a repórteres que considera “lamentável” que Washington não tenha tomado medidas para remover tais tarifas.

Hayashi citou uma “grande lacuna” entre cerca de 20.000 toneladas das exportações de alumínio do Japão e 280.000 toneladas das da União Europeia, ambas em 2020, embora tenha acrescentado que não é apropriado fazer uma comparação simples.

Tóquio e Washington vêm discutindo a questão das tarifas de aço e alumínio depois que Hagiuda e Raimondo concordaram com o início das negociações em novembro.

As tarifas de aço e alumínio foram iniciadas sob a Seção 232 da Lei de Expansão do Comércio com base no fato de que as importações em questão podem representar riscos à segurança nacional. Eles afetaram os principais parceiros comerciais dos EUA, incluindo a UE.

Em outubro, o governo Biden chegou a um acordo com a UE para acabar com a divisão tarifária da era Trump, com o lado dos EUA permitindo que uma certa quantidade de aço e alumínio europeus entrasse com isenção de impostos e a UE suspendendo tarifas retaliatórias sobre produtos dos EUA.

== Muindo-Nipo (MN)
Com Agência Kyodo.